Início Destaque FÓRMULA 1 – Próxima etapa: Grande Prêmio do México – 2019

FÓRMULA 1 – Próxima etapa: Grande Prêmio do México – 2019

637

 11 min de leitura

(Foto: reprodução site oficial Formula 1)

Chegamos na semana da 18ª corrida da temporada, em um dos menores circuitos do calendário da Fórmula 1, o Hermanos Rodríguez. Este, recebeu um GP da categoria pela primeira vez em 1963, e é uma das pistas mais antigas no automobilismo.

Confira abaixo as expectativas dos pilotos e chefes de equipe que se manifestaram sobre a disputa na casa de Sergio Perez:

Segundo a ordem do campeonato de construtores, a hexacampeã, a Mercedes:

(Foto: reprodução twitter oficial @MercedesAMGF1)

Toto Wolff (chefe da equipe):Sabemos que as quatro corridas restantes não serão fáceis e esperamos que o México seja a mais difícil para nós. A alta altitude da pista traz alguns desafios bastante incomuns, pois a baixa densidade do ar afeta a força descendente do carro, o resfriamento e o desempenho do motor. É uma combinação que não combina particularmente com o nosso carro, mas vamos dar tudo para tentar limitar os danos“.

A segunda colocada, a Ferrari, com 435 pontos:

(Foto: reprodução twitter oficial @ScuderiaFerrari)

Sebastian Vettel: Obviamente, correr em altitude afeta a maneira como o carro se comporta. Estamos competindo com o nível máximo de força descendente em termos de configuração do carro, mas, como estamos correndo tão acima do nível do mar, o ar é muito fraco e os carros produzem pouca força descendente.
Na longa reta, acho que vemos as velocidades máximas mais altas da temporada, o que dificulta o gerenciamento das curvas, porque temos tão pouca força física no carro. O carro está se movimentando bastante e é difícil fazer os pneus funcionarem, na verdade é difícil fazer todo o carro funcionar e obter a sensação certa. É uma volta relativamente curta, mas não é fácil. Nos últimos anos, estivemos em uma tendência ascendente no México, embora a Red Bull tenha sido a equipe a vencer. Mas acho que as lacunas entre nós estão diminuindo, então vamos ver como chegamos neste ano.”

Charles Leclerc:O circuito no México é incomum. Corremos a uma altitude tão alta e todas as equipes tentam colocar o máximo de força no carro possível. Apesar disso, ainda parece bastante estranho e a aderência é extremamente baixa.
Eu fiz um FP1 e uma corrida lá, então é uma das pistas que ainda é bastante nova para mim. Eu realmente gosto de dirigir até lá, principalmente porque as paredes são muito próximas e isso é algo que eu gosto como piloto.
A atmosfera é incrível e dirigir pela parte do estádio é realmente único, porque você pode ver todos os fãs nas arquibancadas.”

A terceira colocada e a equipe que dominou nessa etapa nos últimos dois anos, a Red Bull Racing, com 323 pontos:

(Foto: reprodução twitter oficial @redbullracing)

Max Verstappen: Estou ansioso para voltar ao México, pois os últimos dois anos foram muito especiais lá com as duas vitórias. O Grande Prêmio do México é um grande evento e os fãs são muito apaixonados pela Fórmula 1. Eu realmente gosto de dirigir até lá. A pista é muito diferente, pois está em alta altitude, o que a faz posuir baixa aderência. Os cantos também são muito técnicos, então você tem que trabalhar duro para garantir o melhor possível, mas é uma boa pista para nós normalmente. Espero que seja um pouco mais difícil este ano por causa do ritmo da Ferrari, mas acho que ainda podemos ter uma corrida muito boa.”

Alex Albon: Historicamente, [Hermanos Rodríguez] tem sido uma boa pista para a Red Bull com a pole position e uma vitória lá no ano passado, então obviamente isso é positivo. Como Suzuka, será outra faixa nova para mim, mas essa parece um pouco mais perdoadora! Também estou muito empolgado para dirigir na seção de campo interno, onde todos os fãs estão, como eu ouvi, isso é muito especial. México e EUA serão as últimas corridas consecutivas da temporada e mal posso esperar para chegar lá e conferir as duas pistas.”

A Mclaren, com 111 pontos:

(Foto: reprodução twitter oficial @MclarenF1)

Carlos Sainz: Saltar para a sexta posição no Campeonato de Pilotos depois de outro forte fim de semana em Suzuka é encorajador e isso apenas contribui para a nossa motivação de continuar pressionando até o final do ano. Não será fácil manter essa posição, mas lutarei por ela com tudo o que temos. Também demos outro passo importante no campeonato de construtores, mas precisamos manter o foco. Estou empolgado em voltar ao carro para o Grande Prêmio do México. É um evento incrível e um circuito desafiador, por isso me certificarei de dar tudo de mim e buscar bons pontos mais uma vez. Gosto da muito da cidade e como todos os fãs mexicanos apóiam o GP, então estou ansioso para conhecer muitos deles no fim de semana.”

Lando Norris: O México geralmente oferece grandes corridas e deve se adequar a algumas das características do nosso carro, mas sei que ainda preciso trabalhar duro para aproveitar ao máximo o fim de semana. É uma pista interessante para dirigir com a seção exclusiva do estádio, e estou ansioso para correr por lá este ano depois de participar da FP1 no ano passado. A Cidade do México tem uma ótima atmosfera e os fãs sempre são muito apaixonados pela corrida. Fico feliz que esteja no calendário em 2020.”

A Renault, com 77-9 pontos, após ser desclassificada dos resultados da corrida anterior:

(Foto: reprodução site oficial Renault F1 Team)

Nico Hulkenberg: O circuito é bastante antigo, com muita história e você realmente sente essa vibração quando está lá. Eu gosto de lugares onde você sente uma conexão de corrida como Interlagos e Silverstone; O México é semelhante a isso. É um pequeno circuito complicado. É alta altitude e isso muda bastante a dinâmica das corridas. O carro tem menos força descendente, muito menos resistência, por isso somos rápidos nas retas e, depois de travar, o carro parece ter muito menos aderência. É um sentimento único e com o qual você precisa se acostumar. É um circuito técnico e não é uma volta fácil. O estádio é uma experiência legal, não muitos circuitos têm algo parecido. Você pode ouvir e sentir o barulho. Os fãs apoiam todos lá, é realmente ótimo de ver.”

Daniel Ricciardo: “O México é um lugar incrível e eu realmente gosto de ir para lá. A atmosfera no paddock é cheia de vida e bastante vibrante. Todo mundo parece estar se divertindo, tudo está de bom humor e sempre há muita coisa acontecendo. É bom ter o México e Austin como costas, porque ambos são hospitaleiros e você não fica entediado por láÉ um circuito decente com oportunidades de ultrapassagem; a longa reta na curva 1 e novamente na curva 4, por exemplo. Eu amo a seção do estádio. É de baixa velocidade, mas é realmente único com a multidão ao seu redor na frente e nas laterais. É uma experiência insana dirigir por lá.”

A equipe Toro Rosso, com 62 pontos:

(Foto: reprodução twitter oficial @ToroRosso)

Pierre Gasly: No primeiro dia em que você chega, você pode sentir que está em altitude, mas depois disso não percebe mais. Tem um efeito maior nos carros que nos pilotos. Podemos nos preparar e treinar para isso, mas é mais complicado para o motor, resfriar os freios é uma consideração e há menos força de tração, por isso é o carro que sofre mais do que nós. Colocamos muita força no veículo e você percebe que tem menos aderência, pois o efeito aerodinâmico é menor porque o ar é menos denso. Portanto, pode ser estranho, rodamos praticamente a asa traseira máxima, mas a sensação que você tem é muito diferente do que você normalmente esperaria com esse nível de força descendente. É sempre muito bom ir muito rápido em uma linha reta, pois isso é sempre emocionante. Durante a corrida, acho que devemos ver algumas das maiores velocidades máximas do ano. Além desses aspectos técnicos, o fim de semana inteiro tem uma atmosfera incrível. Lembro-me do ano passado, durante a parada dos pilotos, eu estava em um carro seguindo Sergio Perez e foi incrível. Acho que nunca ouvi tanto apoio para um piloto, com pessoas gritando, aplaudindo e gritando. Foi uma  loucura.”

Daniil Kvyat: Quanto à pista, são principalmente curvas lentas que exigem muita trava total no volante. O layout ainda é bastante técnico, existem algumas chicanas de velocidade média e a parte final flui um pouco mais enquanto você atinge velocidades muito altas na longa reta principal. O mais importante é que isso contribui para uma corrida emocionante. Isso é o que importa no final. Se a corrida é emocionante, significa que a pista é boa e para nós pilotos, nós apenas colocamos no limite em cada esquina que temos que pegar. O ar rarefeito em altitude afeta a PU e também a aerodinâmica, pois há menos resistência. Isso significa que atingimos altas velocidades máximas, mas também executamos muita força aerodinâmica. Lembro-me novamente do primeiro ano em que estive lá, notei um pouco a altitude, você se sente um pouco mais baixo nos primeiros dias, mas depois se acostuma e está tudo bem. Seria bom treinar em altitude, mas nunca temos tempo, pois essa é uma parte particularmente movimentada da temporada, envolvendo muitas viagens com vôos longos. No geral, é um fim de semana agradável, tenho boas lembranças aqui e tive um bom resultado alguns anos atrás, terminando em quarto lugar e a Cidade do México também é onde temos um de nossos jantares de equipe habituais e, à medida que avançamos no final do estação.”

A Racing Point, com 58 pontos:

(Foto: reprodução twitter oficial @RacingPointF1)

Sergio Perez: A corrida no México é um fim de semana extremamente importante para mim. É a minha corrida em casa e sempre me sinto muito orgulhoso de ver a Fórmula 1 no México. A pista é bastante desafiadora, especialmente quando você considera que estamos dirigindo os carros em grandes altitudes. É difícil para os pilotos  fisicamente e também é um trabalho árduo para a unidade de força, porque o ar é muito fraco. Acho que o setor final é a minha parte favorita da volta: a seção rápida e fluida, que pode ser muito complicada e é fácil cometer erros por lá. Devido à altitude, você tem muito menos força descendente no carro e, às vezes, o carro pode se soltar nessas curvas rápidas. O setor final também tem a seção do estádio e, quando está cheio de torcedores, é uma atmosfera sem igual. Cada vez que piloto por lá, mesmo durante os treinos, posso ouvir os fãs e sentir seu apoio. Ultrapassar nunca é fácil, mas acho que a melhor oportunidade está na curva 1 e é aí que vimos a maioria das mudanças sendo feitas.”

Lance Stroll: O México é um evento muito divertido. Os fãs são ótimos e realmente ajudam a tornar a corrida especial com a atmosfera que criam. Mesmo na sexta-feira, você vê arquibancadas cheias e pode sentir a energia da multidão. A Cidade do México está lá em cima como um dos meus circuitos favoritos do ano. Eu gosto de dirigir o carro em condições de alta altitude e você pode realmente notar a diferença porque o carro parece mais nervoso. Apenas adiciona outro desafio para os motoristas. É uma pista bastante simples, como uma pista de kart com algumas retas longas ligadas por algumas curvas de baixa velocidade. É bastante técnico em alguns lugares e há oportunidades de ultrapassagem. Acho que temos um bom potencial no carro para essas poucas corridas finais e o México deve nos atender muito bem.”

A Alfa Romeo Racing, com 35 pontos:

(Foto: reprodução twitter oficial @alfaromeoracing)

Kimi Raikkonen: O México nos dá a chance de voltar aos pontos. Realmente não importa o que fizemos nas últimas corridas, nosso foco está nos próximos eventos e precisamos garantir que saímos e façamos nosso trabalho bem. Se fizermos isso, estaremos na batalha pelos pontos, é isso que importa. Sabemos que as quatro últimas corridas são muito importantes e continuaremos a dar 100% para terminar bem a temporada.”

Antonio Giovinazzi: As próximas duas corridas serão um momento crucial para nós. As costas consecutivas são sempre uma oportunidade de criar impulso, por isso será importante se sair bem no México e seguir para Austin. Nunca corri na Cidade do México, mas tive duas sessões de treinos lá e gosto bastante da pista. O layout, com suas longas retas, me lembra Monza, mas as condições serão muito diferentes devido à altitude. Espero que o nosso carro se adapte bem ao circuito e estaremos na luta por pontos.”

A equipe Haas, com 28 pontos:

(Foto: reprodução twitter oficial @HaasF1Team)

Guenther Steiner (chefe da equipe): Nós, como equipes, sempre nos sentimos muito bem-vindos lá, e tudo está muito bem organizado. Acho que todo mundo está feliz com a forma como tudo corre e, obviamente, os fãs gostam. Sempre temos desafios de refrigeração. Subindo para a altitude, você sempre precisa se refrescar nos carros. Você precisa de muito mais, e isso diminui a força de trabalho e você nunca tem força de trabalho suficiente. Parece que sempre sofremos mais com isso do que com todos os outros carros. Esse é o nosso maior desafio, encontrar o equilíbrio entre o resfriamento e a disponibilidade de downforce [efeito-solo].”

A Williams Racing, com 1 ponto:

(Foto: reprodução twitter oficial @WilliamsRacing)

Robert Kubica: Estou ansioso para ir à Cidade do México. Eu só tive a chance de dirigir o circuito em seu layout anterior para uma demonstração realizada há mais de 10 anos, por isso será uma nova experiência para mim. É um lugar único, porque corremos em altitudes muito altas, portanto o nível de força descendente é muito menor devido à densidade do ar. Estarei entregando meu carro a Nicholas na FP1, então terei que aprender a pista rapidamente na FP2.”

Nicholas Latifi (piloto de desenvolvimento da equipe): “Estou realmente empolgado para voltar ao carro no México, pois parece que já faz muito tempo desde o meu passeio anterior no Spa. Tive a chance de dirigir no México no ano passado no FP1, por isso estou familiarizado com o que esperar. É uma pista bastante única por causa da elevação, então você tem uma falta de aderência, o que a torna desafiadora. Como sempre, meu objetivo continua o mesmo para o FP1, ter uma sessão limpa e ajudar a guiar a equipe para o FP2.”

George Russell: Eu acho que o México será um fim de semana desafiador para todos, devido à altitude do circuito, mas também ao calor. Será um fim de semana interessante para mim; é uma pista que eu nunca dirigi, e eu sempre amo dirigir novos circuitos. Estou ansioso pelo desafio e animado para correr novamente.”

(Circuito Hermanos Rodríguez. / Imagem: reprodução site oficial Fórmula 1)

A equipe que predominou na etapa mexicana nos últimos dois anos, foi a Red Bull. Por isso, é de se esperar que a equipe RBR se destaque nessa prova, porém, pode ser ameaçada de perto pela Ferrari, que melhorou consideravelmente a performance do carro. A marca da Mercedes no circuito é o recorde de volta mais rápida, que pertence a Valtteri Bottas, com o tempo de 1.18.741, alcançado ano passado.

(Foto: reprodução site oficial Formula 1)

Assim como em Singapura, uma terceira zona de DRS foi adicionada à pista. A nova área de abertura de asa fica localizada entre os setores 2 e 3, em uma curva à esquerda que liga os setores. O ponto de detecção – onde os motoristas precisam estar a 1 segundo do carro à frente – será logo após a curva 9. O objetivo é fazer com que as ultrapassagens fiquem entre as voltas 11 e 12.

A corrida terá início às 16:10h (horário de Brasília), no próximo domingo, dia 27 de outubro.