Início Destaque FÓRMULA E – Debrief: E-Prix de Portland – 2024

FÓRMULA E – Debrief: E-Prix de Portland – 2024

194
(Foto: Sam Bagnall)
Saiba o que rolou nas duas provas da categoria elétrica na casa da Andretti, além de uma análise sobre o desempenho das equipes no fim de semana.

A Fórmula E realizou neste final de semana (29 e 30 de junho) a rodada dupla do E-Prix de Portland, a décima terceira e décima quarta etapas do calendário 2023/2024, no Circuito Internacional de Portland, localizado no estado de Oregon, a noroeste dos Estados Unidos.

Quem levou a melhor no sábado foi António Félix da Costa, que largou em quarto, aproveitou as oportunidades que surgiram e garantiu a vitória, seguido de Robin Frijns e de Jean-Éric Vergne. O ponto adicional da volta mais rápida ficou com o pole sitter Mitch Evans, que cravou o tempo de 1:11.588s. Mitch terminou o E-Prix inicial em oitavo, após sofrer uma penalidade.

Na competição de domingo, incrivelmente, António Félix da Costa conquistou o outro troféu de P1 disponível em território americano, ao largar em segundo e terminar logo à frente de Robin Frijns e de Mitch Evans. O ocupante da pole foi Jean-Éric Vergne, que concluiu em quinto, e a volta mais rápida foi conquistada por Frijns, que marcou 1:10.650s, o menor tempo das duas disputas em Portland.

Vale mencionar que duas escuderias saíram zeradas dos Estados Unidos, além do mesmo número de competidoras sofrerem abandono duplo na etapa final (14ª). Por conta da pista permanente ser larga em alguns setores e oferecer zonas de alta velocidade, houve centenas de ultrapassagens durante os dois E-Ps.

Análise de desempenho

Abaixo, confira uma análise de desempenho das 11 escuderias do grid na rodada dupla do E-Prix de Portland, em ordem decrescente da classificação atual do Campeonato de Equipes.

Jaguar TCS Racing (322 pts)

A atual líder do campeonato Jaguar TCS Racing não teve uma passagem satisfatória pelo Circuito Internacional de Portland, com apenas um de seus pilotos na zona de pontuação nos dois dias de competição e o outro em uma maré de azar.

Na décima terceira etapa, Mitch Evans começou com três pontos no bolso, ao se classificar na pole, mas o desenrolar da corrida não foi bom. Devido a um toque na traseira de uma McLaren, o neozelandês recebeu uma punição de +5s no tempo final, o que comprometeu o bom resultado que Evans conseguiria: um lugar no pódio.

No outro carro da Jaguar, Nick Cassidy brigou pela liderança e a alcançou nas voltas finais; porém, ao perder o controle do carro no fim da penúltima volta, o britânico rodou em direção ao gramado e caiu para P18. No agitar da bandeira quadriculada, Mitch cruzou a linha de chegada em primeiro, mas devido à penalidade, despencou para P8, enquanto o parceiro de equipe cruzou a linha de chegada na P19.

O dia seguinte foi um pouco melhor, mas ainda com apenas um carro no top 10 final. Evans, que largou na P11, fez uma ótima escalada, ao ganhar 8 colocações durante o E-Prix e finalizar no top 3, em terceiro. Cassidy por sua vez, sofreu novamente em Portland, ao se envolver em um engavetamento que o fez danificar a asa frontal de seu I-Type 6 e ser obrigado a parar e efetuar a troca do aparato. Assim, o melhor que o líder do Campeonato de Pilotos conseguiu foi a P13.

TAG Heuer Porsche (289 pts)

A segunda colocada na tabela, TAG Heuer Porsche, usufruiu de seu melhor final de semana na temporada 2023/2024 em solo americano, ao ser a escuderia que mais pontuou em Portland, ao marcar pontuação dupla (com os dois carros) em ambas as etapas e levar os dois troféus do ouro.

O sábado foi ótimo para a equipe alemã: o campeão de 2019/2020, António Félix da Costa, se classificou em quarto, se manteve no top 5 na maior parte do E-P, alcançou os líderes e aproveitou a punição sobre Mitch Evans e a falha humana de Nick Cassidy para superar Frijns e vencer. Enquanto isso, Pascal Wehrlein, que viu as luzes se apagarem na P8, não apresentou um desempenho competitivo, ao concluir duas posições abaixo, na P10.

No domingo, o cenário foi ainda melhor: Da Costa se qualificou em um lugar mais alto no grid de largada, logo atrás do pole sitter, na P2, e desenrolou uma prova sem erros, o que, além do bom gerenciamento de energia, foi crucial para selar a terceira vitória consecutiva do português neste ano, depois de também vencer a disputa de domingo em Xangai.

Por sua vez, Wehrlein se superou em Oregon, ao sair da P7, chegar a perder a sua asa frontal no início do E-Prix e, mesmo assim, alcançar uma bela finalização na P4. Vale lembrar que, com os dois resultados em Portland, o alemão agora se encontra empatado com Mitch Evans no Campeonato de Pilotos.

DS PENSKE (184 pts)

A DS mostrou uma boa performance nos dois dias de corrida nos Estados Unidos e, por pouco, não integrou o top 10 nas duas ocasiões. Apesar disso, nesse que foi um fim de semana caseiro para a equipe operacional, PESNKE, a montadora francesa comemorou dois resultados positivos no agregado.

Na etapa 13, após largar da P14, o bicampeão Jean-Éric Vergne subiu um total de onze colocações e garantiu o terceiro lugar no pódio, um feito impressionante do francês. No outro carro da escuderia francesa, Stoffel Vandoorne também fez uma boa escalada, ao ver o apagar das luzes mais abaixo, da P16, e terminar o E-P inicial na P9, dentro da zona de pontuação.

O domingo resultou em outra finalização satisfatória para a DS: Vergne, que ocupou a ponta do grid de largada e somou três pontos extras por isso, não estava com um ritmo suficientemente bom para brigar pela liderança em igualdade com a Porsche, a Jaguar e a Envision e, assim, o melhor que o francês pôde entregar foi a P5, enquanto Vandoorne desceu um degrau do grid inicial ao concluir na P11.

Andretti (168 pts)

Para a Andretti, as suas duas competições em casa foram regulares, com finalizações normalmente alcançadas pela escuderia americana, mas com uma recompensa agradável em relação ao impacto na tabelas de equipes.

No décimo terceiro round, o atual campeão, Jake Dennis, conseguiu o sexto lugar, depois de sair três posições abaixo, da P9. Enquanto isso, o companheiro do britânico, Norman Nato, não terminou bem, ao ser o 13º colocado.

Domingo, as coisas melhoraram no quintal da Andretti, com a finalização de Jake na P10 e o progresso de Nato, que recebeu a bandeira quadriculada três degraus acima de Dennis, na P7. No geral, o E-Prix duplo na terra do Tio Sam foi positiva, já que, como a DS PENSKE, deixou a Nissan para trás, e assumiu a P4 no Campeonato de Equipes.

Nissan (157 pts)

Na falta do piloto que trouxe mais pontos para a escuderia da fabricante japonesa até o momento, Oliver Rowland, que ainda se recupera de um problema de saúde, a Nissan sofreu nos dois dias de corrida em Portland, sem uma única aparição no top 10 final.

O veterano na equipe, Sacha Fenestraz, não marcou pontos em território americano, ao terminar na P15 no sábado e na P18 no domingo, neste último caso, na frente apenas dos competidores que abandonaram. Em sua estreia na Fórmula E, o brasileiro Caio Collet fez o que podia, ao concluir o 13º E-Prix da temporada na P18 e o 14º na frente de Fenestraz e do brasileiro mais bem-sucedido na categoria, na P16.

Apesar de não marcar pontos em seu primeiro final de semana como titular na classe 100% eletrificada da FIA, Collet pode considerar como positivo o fato de não se envolver em nenhum incidente e cruzar a linha de chegada nos dois E-Ps, além de receber a bandeirada final primeiro que o companheiro mais experiente na F-E, Sacha.

NEOM McLaren (95 pts)

A McLaren foi uma das equipes que mais sofreram em Portland International Raceway, com apenas um carro na zona de pontuação e em uma única etapa. Sam Bird foi o salvador da escuderia britânica, ao receber a bandeira quadriculada de sábado na P7.

O parceiro de Bird, Jake Hughes, iniciou bem a décima terceira prova da temporada, ao assumir a liderança após a largada, mas, depois de receber um toque de Mitch Evans que o tirou da pista, o piloto de 30 anos despencou no grid e ficou com a P21, em último lugar.

No E-Prix de domingo, a McLaren vivenciou um pesadelo, ao ver os dois carros se envolverem em incidentes que causaram danos terminais em ambos os e-4ORCE 04, o que gerou um doloroso abandono duplo. Sem dúvidas, essa foi uma rodada dupla frustrante para a escuderia britânica.

Envision Racing (88 pts)

A Envision apresentou um ótimo desempenho nos Estados Unidos, principalmente com Robin Frijns, que conquistou dois pódios e na mesma posição, como segundo colocado. No outro carro, o campeão da rodada 2015/2016, Sébastien Buemi, não realizou uma boa performance no primeiro evento em Portland, ao ficar de fora do top 10 final, na P20.

Apesar de não ter se saído bem no sábado, Buemi se redimiu ao, pelo menos, garantir a nona colocação na décima quarta batalha do calendário. Diante dos fatos, Frijns foi um dos automobilistas de maior destaque nos dois dias de competição em território americano, e mostrou que o carro da Envision Racing possui um ritmo consideravelmente forte. Vale mencionar que a escuderia britânica passa a ocupar a P7 na tabela, que era da Maserati.

Maserati MSG Racing (81 pts)

Assim como foi para a McLaren, a Maserati MSG Racing se deparou com um sentimento de decepção ao somar os pontos conquistados na penúltima etapa da temporada, com Max Günther como o herói da equipe monegasca.

Na primeira competição, Günther foi o único nome do grid a não ver a bandeira quadriculada, ao abandonar por problemas em seu Tipo Folgore. O companheiro do alemão, Jehan Daruvala, não fez diferença, ao finalizar em décimo sexto. No domingo, Max alcançou redenção, e adicionou o que seria os únicos pontos da Maserati no fim de semana, ao terminar em oitavo lugar, com Daruvala novamente fora do top 10, na P12.

Por conta do baixo ritmo no Circuito Internacional de Portland, a escuderia com sede em Monte Carlo pode, provavelmente, encerrar a temporada 2023/2024 entre as quatro últimas colocadas no Campeonato de Equipes.

ABT CUPRA (38 pts)

Apenas um piloto trouxe uma boa soma de pontos para a ABT: Nico Müller. No E-Prix de sábado, o suíço se classificou bem, largou na P7 e transformou a colocação inicial em uma bela P5. Por outro lado, o brasileiro, Lucas Di Grassi, bateu na trave, ao cruzar a linha de chegada na P11, a um degrau da zona de pontuação.

Na batalha do dia seguinte, Nico se saiu ainda melhor, ao ver as luzes se apagarem da P13, ganhar sete posições e concluir na P6. Dessa vez, Di Grassi ficou longe do top 10, ao terminar em uma decepcionante P17. Assim, Müller ficou em evidência e deu bons motivos para a ABT CUPRA sair de Portland satisfeita.

Mahindra Racing (25 pts)

A Mahindra vivenciou o mesmo que a McLaren e a Maserati, já que marcou pontos com apenas um carro e em uma de duas provas. Edoardo Mortara foi o responsável por evitar que a escuderia indiana saísse dos Estados Unidos zerada.

No sábado, depois de ocupar a sexta posição do grid de largada, Mortara conseguiu assumir a P4 e mantê-la até o fim. Porém, no outro carro da Mahindra, Nyck De Vries não se saiu bem e foi o 12º colocado após a bandeirada final.

Apesar dos pontos positivos no primeiro E-Prix, a equipe foi uma das duas fabricantes (junto com a McLaren) a sofrer um abandono duplo, e saiu de Oregon com apenas a P4 de Mortara como o aspecto positivo da penúltima rodada deste ano.

ERT (23 pts)

Por fim, a ERT, ao lado da Nissan, foi uma das duas escuderias a deixarem a cidade americana de Portland zerada. Sergio Sette Camara simplesmente concluiu as duas corridas na P14, enquanto o britânico e companheiro de equipe do brasileiro, Dan Ticktum, ficou com a P17 na competição inicial e, no domingo, na P15.

Diante da passagem tenebrosa pelo Circuito Internacional de Portland, a escuderia chinesa depende de um final de temporada ruim da Mahindra em Londres, para não encerrar a campanha 2023/2024 na lanterna do Campeonato de Equipes.

Top 10 do campeonato de pilotos:

1 – Nick Cassidy #37 (Jaguar TCS Racing) – 167 pts;

2 – Mitch Evans #9 (Jaguar TCS Racing) – 155 pts;

3 – Pascal Wehrlein #94 (TAG Heuer Porsche) – 155 pts;

4 – António Félix da Costa #13 (TAG Heuer Porsche) – 134 pts;

5 – Oliver Rowland #22 (Nissan) – 131 pts;

6 – Jean-Éric Vergne #25 (DS PESNKE) – 129 pts;

7 – Jake Dennis #1 (Andretti) – 122 pts;

8 – Max Günther #7 (Maserati MSG Racing) – 73 pts;

9 – Robin Frijns #4 (Envision Racing) – 60;

10 – Stoffel Vandoorne #2 (DS PENSKE) – 55 pts.

A próxima etapa da Fórmula E será a grande final da temporada: a rodada dupla do E-Prix de Londres, nos dias 20 e 21 de julho.