Início NASCAR NASCAR – Campeões, despedidas e mudanças – 2020

NASCAR – Campeões, despedidas e mudanças – 2020

348

 6 min de leitura

Chase Elliott e seu belo troféu de campeão da CUP SERIES da NASCAR em 2020. Créditos: Jared C. Tilton | Getty Images (Nascar.com)

Olá amigos e amigas do Tomada de Tempo e do Kojak ! Depois de 36 corridas na CUP SERIES, 33 na XFINITY e outras 23 na TRUCK SERIES (total de 92 corridas que acompanhamos), as três principais divisões da NASCAR definiram seus campeões e encerraram o expediente da complicada temporada de 2020.

Sim, complicada, já que a pandemia do COVID 19 afetou todas as áreas sociais e esportivas, incluindo obviamente o automobilismo e a NASCAR fez um grande esforço para conseguir um calendário cheio e com segurança para todos os envolvidos. Missão cumprida!

Isto posto, vou aqui apresentar de forma bem resumida o que marcou as três principais divisões (sim, existem outras) nesta temporada e o que vem por aí em 2021.

Na TRUCK SERIES, Sheldon Creed superou um início de ano turbulento, repleto de críticas, para dar a volta por cima e levar o seu primeiro título. Creed sempre foi um piloto rápido e agressivo, mas vinha errando demais, chegando até a bater na mureta da entrada dos boxes. Existem pessoas que se encolhem diante da pressão, mas ao contrário, ele se ergueu, minimizou erros mantendo a velocidade e foi incisivo nos playoffs. Título muito merecido.

Seu principal rival na final, o campeão de 2018 e ótimo piloto Brett Moffitt não conseguiu acompanhá-lo, mas já está um passo a frente na carreira e em 2021 corre novamente toda a próxima temporada da XFINITY.

Novos jovens talentosos surgiram na TRUCK e podemos guardar esses três nomes: Zane Smith, finalista nesta temporada (21 anos), o canadense Raphael Lessard (19 anos) e Sam Mayer (17 anos). Outro nome que poderemos acompanhar na próxima temporada e que se juntará ao time feminino da TRUCK SERIES é Hailie Deegan (19 anos), a “garota sensação” que em sua corrida de estreia mostrou que está longe de ser apenas um bom marketing. Espera-se dela não só suprir a ausência de Danica Patrick no futuro, mas superá-la em rendimento. O tempo vai dizer. Vamos aguardar o que essa moçada vai fazer no ano que vem.

Sheldon Creed é o campeão da Truck Series 2020 . Créditos : Christian Petersen | Getty Images (Nascar.com)

Na XFINITY, tivemos uma situação interessante. Chase Briscoe dominou o campeonato com nove vitórias se garantindo tranquilamente para a final. Mas justamente na corrida decisiva não rendeu como o esperado e o título ficou com Austin Cindric, piloto da equipe Penske.

Apesar de perder o título na final, Chase Briscoe se estabeleceu no mercado de pilotos e garantiu sua ascensão para a CUP SERIES na próxima temporada. O campeão Cindric também está garantido, mas para a temporada 2022. Ano que vem segue na XFINITY.

Outros pilotos tiveram seus momentos de glória neste ano e chamaram a atenção. Podemos ficar de olho nos jovens Brandon Jones, Harrison Burton e Justin Haley. Os três venceram corridas na temporada e mostraram que podem chegar num futuro próximo. Já Noah Gragson, de quem muito se espera, oscilou bastante. De vitórias convincentes a atuações decepcionantes. O momento marcante de Gragson este ano foi o “direto” estilo Mike Tyson no queixo de Harrison Burton. Com certeza a próxima temporada será decisiva para sua carreira. Por fim, o batalhador “garoto da melancia”, Ross Chastain, teve um ano consistente e garantiu sua vaga na CUP SERIES em 2021.

Austin Cindric bateu o favorito Chase Briscoe na final e levou o caneco da XFINITY. Créditos : Jared C. Tilton | Getty Images (Nascar.com)

Na categoria principal, a CUP SERIES, a surpresa começou com a ausência de Kevin Harvick#4, na final dos playoffs. “The Closer” foi campeão da temporada regular com sobras, chegou aos playoffs com pontos sobrando e…se apagou. O favorito caiu antes da decisão e na final em Phoenix o quarteto decisivo foi formado por Joey Logano#22, Brad Keselowski#2, Denny Hamlin#11 e Chase Elliott#9.

Pra ser sincero achei a corrida morna, com exceção de uma atuação. Justamente a do campeão Chase Elliott#9. O carro da equipe “Hendrick Motosports” não passou na inspeção técnica pré corrida e teve que largar do fim do grid. Chase foi muito agressivo durante toda a final, escalou o pelotão e rapidamente entrou na briga pela vitória e pelo título. Naquela noite ele estava em outro patamar, como dizem, venceu a prova e foi campeão com sobras.

Além do título, Elliott agora é também reconhecido pelas suas vitórias em circuitos mistos, mostrando que é um piloto completo. Essa nova geração que chegou e continua surgindo é diferente em sua maioria dos tradicionais pilotos americanos. Chase, o filho do lendário Bill Elliott, entrou para o clube dos grandes pilotos da categoria.

Faço questão de registrar a atuação do chamado “Trio de ferro” que subiu da XFINITY e estreou na CUP SERIES este ano. Tyler Reddick#8, Christopher Bell e Cole Custer#41 não decepcionaram e confirmaram a expectativa. Os moleques são “pés pesados” mesmo!

PRINCIPAIS MUDANÇAS

Vamos às principais mudanças no mercado de pilotos:

  • CLINT BOWYER deixa o #14 e pendura o capacete para trabalhar na equipe de transmissão da TV americana. Para seu lugar, a STEWART-HAAS trouxe da XFINITY o ótimo CHASE BRISCOE.
  • MATT KENSETH volta para sua aposentadoria e deixa o #42 da CHIP GANASSI para outro que vem da XFINITY, o batalhador “garoto das melancias”, ROSS CHASTAIN.
  • Após ser demitido da CHIP GANASSI e cumprir suspensão por comentários racistas numa corrida virtual (além de nesse período mostrar trabalho em favor da causa), o rápido KYLE LARSON estará de volta a CUP SERIES em 2021 pela HENDRICK, que traz de volta também o lendário #5 que foi utilizado anteriormente por nomes consagrados como Terry Labonte, Mark Martin e KYLE BUSCH.
  • E na HENDRICK também tivemos importantes mudanças. O heptacampeão JIMMIE JOHNSON sai da categoria, mas não pendura o capacete. J.J. vai correr os circuitos mistos da INDY pela CHIP GANASSI. Para assumir o #48, a solução foi caseira, e foi chamado seu companheiro de equipe, ALEX BOWMAN (esse moleque é bom!).
  • Estou ansioso para ver essa nova equipe, a “23XI”. Os proprietários da equipe são nada mais, nada menos, que o maior jogador da história da NBA, MICHAEL JORDAN e DENNY HAMLIN, piloto do carro #11 da JOE GIBBS, finalista este ano. O piloto que assume a responsabilidade da estreia do #23 é BUBBA WALLACE que deixa o #43.
  • E quem assume aquele carro #43 da equipe do lendário RICHARD PETTY será ERIK JONES, que deixa o #20 da JOE GIBBS nas mãos do jovem CHRISTOPHER BELL.
  • DANIEL SUAREZ será o piloto da nova equipe “Trackhouse” que promete colocar novamente o bom piloto mexicano em condições de disputar bons resultados, o que não foi possível em 2019.
  • JOHN HUNTER NEMECHEK teve um bom inicio de temporada, mas da metade em diante quis andar mais do que o equipamento poderia oferecer e vai voltar para a TRUCK SERIES no intuito de brigar por título novamente, e então, quem sabe, conseguir um melhor equipamento num futuro próximo na CUP SERIES.

A NASCAR volta em fevereiro de 2021 e com tantas estreias e mudanças no grid, podemos esperar grandes emoções. Já estou ansioso pela corrida de abertura que simplesmente é a DAYTONA 500! Por enquanto vamos acompanhando o mundo da velocidade por aqui no TOMADA DE TEMPO! Até lá e VIVA A NASCAR!

E como diria Kal-El : “Para o alto e avante !!”

Fonte : Mídias sociais da Nascar (@Nascar)

CALENDÁRIO 2020

SIGA MINHAS REDES SOCIAIS