Início Bate-Papo nas Pistas BATE PAPO NAS PISTAS – Apaixonado pelas pistas e com um talento...

BATE PAPO NAS PISTAS – Apaixonado pelas pistas e com um talento inquestionável, conheça Sérgio Sette Câmara – #ESPECIAL2KK

666

Após um período de férias, em comemoração aos 2 milhões de acessos, apresento a vocês (para abrilhantar ainda mais essa conquista) um bate papo SENSACIONAL que tive com Sérgio Sette Câmara, o brasileiro mais cotado a representar o Brasil na Fórmula 1!

Sérgio Sette Câmara é sem dúvidas um diamante em um minucioso processo de lapidação, definitivamente um talento nato! Guiado por um ideal e inspirado pelos melhores pilotos brasileiros, Serginho decidiu seguir o caminho dos mesmos e ainda criança entrou para o universo mais veloz criado até hoje, o automobilismo.

Após seu início, alguns anos se passaram na capital mineira, tempo que foi necessário para apresentar ao jovem piloto o experiente preparador José David de Oliveira. José David reconheceu que estava diante de um jovem promissor com talento equivalente a Nelsinho Piquet, Cristiano da Matta, Rafa Mattos – nomes na qual o engenheiro já trabalhou – e a partir daí, deu início a preparação do kart de Câmara.

Em 2008, com o fechamento da pista mineira, onde Sette treinava, o jovem piloto precisou sair de seu habitat natural e migrar para novos desafios. Já em São Paulo, terra da garoa, Câmara fez parte da equipe Sabia Racing, equipe que possuía uma estrutura impecável na época além de ser detentora de inúmeros títulos, staff que proporcionou ao mineirinho um aprendizado fora de série.

Entre os anos de 2010 e 2012, Sette disputou além das principais competições nacionais algumas provas internacionais. Teve um destaque especial no campeonato Sul-Americano e também num dos maiores campeonatos de kart do mundo o SKUSA, evento que aconteceu nos EUA.

Por seus resultados e dedicação, em 2012, Sette foi convidado pela fábrica ART Grand Prix para compor a equipe oficial da marca. Com os cuidados de Armando Fillini, chefe do time, ele disputou em 2012 e 2013 as provas da Winter Cup, WSK, Campeonato Europeu e Campeonato Mundial na classe KF Junior.

Engatando os passos para a realização de um sonho que a cada dia se mostra mais perto em 2016, em um evento na Espanha, Sette teve o privilégio de pilotar o RB8 (Red Bull) no qual Sebastian Vettel foi tricampeão. Ainda, meses depois, Sette foi selecionado pela STR para testes no circuito de Silverstone após o GP da Inglaterra. Pilotando o modelo STR11 de Carlos Sainz Jr, Serginho deu 82 voltas e marcou tempo considerado excelente para um estreante da categoria.

No clima de Fórmula 1, iniciamos nosso bate papo conversando um pouco sobre o principal objetivo que ele possui em sua carreira.

“A Fórmula 1 é o objetivo da maioria dos pilotos e acaba ficando difícil chegar lá justamente pelo fato de todo mundo ter isso como meta, um foco. Mas a gente já conseguiu chegar bem longe, estou na F2 e entrando em uma das melhores equipes, temos tudo para chegar lá, hoje já passa de apenas um sonho e vira um objetivo a ser alcançado!”

Contratado pela Carlin/McLaren Junior Team e servido dos novos monopostos que a categoria usufluirá, o mineirinho me contou um pouco de suas expectativas para a temporada, até então a melhor oportunidade que Câmara terá em 2018.

“A expectativa com essa temporada com a CARLIN é bem clara, chegar ao final campeonato com chances de disputar uma vaga na Fórmula 1. Quero produzir resultados bons e suficientes para que a equipe que trabalha comigo nos bastidores possa brigar por esta vaga e ter argumentos. É isso! Mas claro, seria o melhor dos mundos ganhar o título”.

“Acho que a CARLIN é uma equipe que virá com tudo, o Lando (Norris) é um piloto, que além de muito bom, tem uma estrutura muito forte por trás e tenho certeza que ele não escolheria uma CARLIN atoa, isso só mostra que teremos uma boa oportunidade esse ano”.

Nessa temporada os monopostos da F2 sofrerão algumas alterações. O chassi passou a ser maior em 159 milímetros no comprimento além da nova motorização, um V6 turbo de 3,4 litros fabricado pela francesa Mecachrome, substituindo o V8 aspirado de 4,0 litros. Além disso teremos a inclusão do HALO, o mesmo que será utilizado na Fórmula 1.

“Esse carro novo na Formula 2 é muito importante por vários motivos, principalmente porque o carro que a gente vinha correndo até então era muito desatualizado, um carro antigo, se não me engano ele tinha cinco para seis temporadas, claro que o carro não tem seis anos, as equipes vão mudando, trocando colocando chassis novos, mas o modelo continua sendo aquele, muito diferente de um carro de Fórmula 1.”

“Agora se aproximou, estamos muito perto da realidade de um Fórmula 1, com motor o V6 Turbo, as linhas, asas e traços do carro ficou muito mais agressivos, e isso é muito importante! Quanto mais perto de um Fórmula 1 melhor vai ser quando surgir as oportunidades, estaremos bem mais preparados para um treino livre ou algo assim”.

“Uma das coisas que veio foi o Halo. A ideia de ter uma proteção em volta do capacete do piloto é muito interessante, segurança sempre em primeiro lugar, sem perder o espetáculo ou ficar chato. O único downside do halo é que “tampa” todo o capacete, esconde uma das identidades do piloto, eu particularmente identifico os companheiros de equipe pela cor do capacete. A segurança é muito importante, mas eles deveriam projetar algo mais parecido com o shield que a RedBull e a Ferrari usou”.

Além da Fórmula 1 e também a F2, a Formula E composta por monoposto elétricos, vem se destacando muito nos últimos anos. Antes de nossa parada nos boxes seguimos conversando sobre a forma de reinventar o automobilismo na qual a Formula E é baseada.

“A Fórmula 1 é o ápice do automobilismo, e vai continuar sendo por uns bons anos. Quem sabe daqui uns anos ela tenha que migrar para motores elétricos, mais alguma coisa eles vão fazer, ela nunca vai deixar de ser a Fórmula 1, até mesmo quem sabe uma fusão com a Formula E se transformando em uma categoria só”.

“A Formula E vem crescendo e isso só traz benefícios ao automobilismo! Tem mais marcas atualmente na F-E tem até mais interesse do que na Fórmula 1, é o que você falou, daqui a pouco o carro a combustão já estará proibido, até alguns países já soltaram nota falando que vai ser proibida a partir de determinado ano, em um futuro não muito distante”.

“Com certeza é o futuro, eu sou a favor, tem sim que ir nessa direção. Se formos comparar, os motores a combustão já estão iguais já tem muitos anos, só ver, desde os anos 70 80 o carro tem mais ou menos a mesma potência dos carros de hoje, o consumo melhorou, mas se for comparar com outras coisas no nosso dia a dia como por exemplo celular e eletrodomésticos várias outras coisas evoluiu muito pouco”.

“No futuro a troca de marcha será para os motores elétricos, vai ter muito espaço para a gente desenvolver”.

Já “reduzindo as marchas para completar nossa volta” e caminhando para o fim, não podia deixar de perguntar ao mineirinho sua opinião sobre as categorias de Turismo, categorias que hoje possui nomes na qual ele se inspira.

“As competições como DTM, TURISMO, ENDURANCE, STOCK CAR são todas muito interessantes, mas as vejo mais como uma opção para uma carreira, quem sabe, após uma Fórmula 1, por exemplo. Já como uma alternativa para a F1, vejo mais a Formula E, que é um campeonato que tem muito potencial, já tem mais marcas envolvidas com a categoria, muito mais interesse e espaço para crescer que a prova Fórmula 1”.

“Atualmente a F1 continua sendo o topo do automobilismo e assim, é o meu foco. Mas, caso não consiga chegar até lá, com certeza a F-E seria uma grande saída. As demais categorias, acredito que são interessantes já com idades mais avançadas, depois de uma carreira em monoposto, quem sabe partir para uma de Turismo”.

Com nosso bate papo pronto para ser finalizado, fui para as perguntas clichês! Perguntei ao Sette sobre seus hobbies e também fui para “aquela” pergunta, mesmo já sabendo a resposta! A verdade é que não podia perder a oportunidade de perguntar “
Serginho quem é o maior de Minas? ” Em uma resposta um pouco mais tranquila confesso que quase “arranquei” dele um “AQUI É GALO DOIDO” o que seria para mim a cereja do bolo!!

“A minha vida gira muito em torno do automobilismo, mas eu gosto de fazer algumas outras coisas! Não considero um hobby por não ser atividades que faço com uma certa frequência. Eu adoro esporte, gosto muito de praticar esportes, gosto de jogar tênis, jogar uma pelada com os amigos, jogar videogame, andar de bicicleta e também esportes de inverno”.

“Mas é claro, tem seu risco! Cai e quebra o braço acaba com a temporada e não é o ideal, então a gente tenta evitar esse tipo de coisa. Meu foco é no automobilismo, meu ano fica muito cheio com as atividades, simulador, kart, as corridas e os treinos oficiais, não sobra muito tempo para outras coisas, quando tem eu faço outros esportes, mas nada assim especial”.

“Sou atleticano, minha família toda é atleticana! Meu pai sempre mexeu com futebol, acho que por isso existe uma certa afinidade com o time. Mas eu torço para o Galo e com certeza ele é sim maior que o Cruzeiro aqui em Minas!!”.

E assim, com as declarações do piloto termino nosso Bate Papo nas Pistas Especial de 2 Milhões. Gostaria primeiramente de agradecer ao Serginho que me concedeu um espaço em sua agenda, foi uma pessoa extremamente simpática e hoje faz parte do nosso time de estrelas nessa coluna que a cada dia se torna um sucesso ainda maior.

Gostou do nosso Bate Papo? Quer conhecer mais sobre a performance do piloto? Siga em suas redes sociais: FacebookInstagram e fique por dentro de todas as novidades e notícias de Sérgio Sette Câmara rumo a Fórmula 1.

Tomada de Tempo, aqui sua noticia é pole position!