Início Destaque FÓRMULA E – Debrief: E-Prix de Xangai – 2024

FÓRMULA E – Debrief: E-Prix de Xangai – 2024

151
(Foto: Andrew Ferraro)
Saiba o que rolou nas duas disputas da categoria na casa da ERT, além de uma análise sobre o desempenho das equipes no fim de semana.

A Fórmula E realizou neste final de semana (25 e 26) a rodada dupla do E-Prix de Xangai, a décima primeira e décima segunda etapas do calendário 2023/2024, no Circuito Internacional de Xangai, no município da República Popular da China.

O vencedor no sábado foi Mitch Evans, que largou em terceiro e levou a melhor em uma intensa batalha pela liderança com Pascal Wehrlein, este que concluiu em segundo, seguido de Nick Cassidy. O ponto da volta mais rápida ficou com Jake Dennis, que cravou o tempo de 1:15.965s.

Hoje (26), António Félix da Costa garantiu mais uma vitória neste ano, ao largar em terceiro e terminar logo à frente do pole sitter, Jake Hughes, e de Norman Nato. Curiosamente, a volta mais rápida foi conquistada pelo outro competidor da Andretti, Nato, com o cronômetro em 1:15.358s.

Vale mencionar que o fim de semana no Circuito Internacional de Xangai foi fluido, sem interrupções por Safety Car ou bandeiras amarelas, além de gerar resultados impressionantes nos dois dias de competição.

Análise de desempenho

Abaixo, confira uma análise de desempenho das 11 escuderias do grid na rodada dupla do E-Prix de Xangai, em ordem decrescente da classificação atual do campeonato de equipes.

Jaguar TCS Racing (299 pts)

A Jaguar teve um final de semana positivo, com uma boa soma de pontos no campeonato. No sábado, Mitch Evans foi o grande vencedor do E-Prix, com o parceiro de equipe, Nick Cassidy, na P3. Essa foi a segunda dobradinha da escuderia britânica no pódio, depois do E-Prix de Mônaco.

Na segunda etapa em território chinês, o resultado final não foi tão animador, pois o melhor que os dois pilotos conseguiram no final foi a P4 e a P5, de Cassidy e Evans, respectivamente.

Apesar dos patamares diferentes de finalização, a Jaguar TCS Racing estendeu a sua liderança em relação à segunda colocada, TAG Heuer Porsche, ao mesmo tempo em que Mitch saiu da P5 para a P3 na tabela de pilotos.

TAG Heuer Porsche (226 pts)

A Porsche aproveitou bem os dois dias de corrida, mesmo diante de inconvenientes para os dois competidores. Na décima primeira etapa, Pascal Wehrlein chegou a sentir a emoção de vencedor na volta final, isso antes de ser ultrapassado por Mitch Evans de forma definitiva, mas concluiu o E-Prix em segundo. No outro carro, António Félix da Costa cruzou a linha de chegada na P5, mas, ao ser penalizado por um incidente na última curva da volta final, o português caiu para uma amarga P18.

No dia seguinte, tudo virou de cabeça para baixo e quem levou a melhor no Circuito Internacional de Xangai foi Da Costa, que saiu da P3 para se tornar vitorioso pela segunda vez neste ano. Wehrlein não finalizou a prova, ao receber um contato na roda traseira esquerda que o mandou para os boxes de definitivamente. No geral, a escuderia alemã saiu de Xangai com bons motivos para comemorar.

Nissan (157 pts)

Neste fim de semana, a equipe de fábrica japonesa manteve a consistência de finalizações no top 10 que entrega desde a rodada dupla anterior, na Alemanha, mas apenas com Oliver Rowland, que é dono de 131 dos 157 pontos conquistados pela Nissan até o momento.

No sábado, Rowland viu as luzes se apagarem em segundo, enquanto Sasha Fenestraz largou em último lugar. No final da disputa, Oliver recebeu a bandeira quadriculada na P4, enquanto Sacha fez uma excelente escalada, ao ganhar 11 colocações e concluir na P11, a um degrau da zona de pontuação.

Na etapa de número 12, o resultado não foi tão bom, já que Rowland foi apenas o décimo primeiro colocado, enquanto Fenestraz ficou quatro posições atrás do parceiro, na P14. No somatório das duas competições em território asiático, a Nissan teve uma rodada dupla mediana em comparação com o que já foi conquistado nesta temporada.

DS PENSKE (154 pts)

A escuderia francesa DS teve uma boa oportunidade de garantir o pódio, mas que, no fim, concluiu o final de semana nas posições habituais. Jean-Éric Vergne conquistou a pole para o E-Prix inicial em Xangai, o que se tornou um marco na carreira do bicampeão, que igualou o recorde de Sébastien Buemi de 16 poles na Fórmula E.

Na corrida 1, Vergne não fez uma boa largada, rapidamente perdeu posições durante a disputa e, no fim, cruzou a linha de chegada em sétimo, que se tornou sexto após a penalização sobre António Félix da Costa. No outro carro da DS, Stoffel Vandoorne foi o nono colocado, depois de sair do oitavo lugar.

O dia seguinte foi melhor para os dois pilotos, com Vandoorne na P6 e Jean-Éric Vergne logo atrás, na P7. No geral, a escuderia francesa saiu da China com o que importa: bons pontos, mas agora se encontra ameaçada ao ter apenas um ponto de vantagem sobre a quinta colocada no Campeonato de Equipes.

Andretti (153 pts)

A Andretti vivenciou um final de semana positivo na estreia da rodada dupla em Xangai, com pontos somados por seus dois competidores. Na competição de sábado, o atual campeão, Jake Dennis, saiu da P11 e garantiu uma finalização no top 10, como dono da P5, com direito ao ponto da volta mais rápida. O companheiro do britânico, o francês Norman Nato, concluiu o Round 11 em décimo quarto, depois de largar na P7.

No dia seguinte, na etapa 12, assim como ocorreu com a TAG Heuer Porsche, a mesa virou na escuderia americana e foi Nato que não só fez o menor tempo de volta da disputa, mas conquistou a P3 final, o seu primeiro pódio na Fórmula E. Por outro lado, Jake concluiu o segundo E-Prix na China a uma posição da zona de pontos, na P11.

Pelo fato de passar pela linha de chegada com apenas um piloto no top 10 nas duas provas, a Andretti mostrou um desempenho dentro do normal em Xangai.

NEOM McLaren (89 pts)

Na McLaren, Jake Hughes foi o único a trazer resultados para a equipe britânica, já que Sam Bird nem chegou perto da zona de pontuação. Na corrida de sábado, os dois  competidores terminaram zerados, com Hughes na P16 e Bird na P17.

As coisas melhoraram um pouco na segunda disputa em território chinês, graças a Jake. O britânico garantiu a sua segunda pole position neste ano (com uma diferença de 0,001s sobre o segundo melhor tempo de Stoffel Vandoorne), concluiu o E-Prix de domingo em segundo lugar e conquistou o seu primeiro pódio na Fórmula E. Bird não finalizou, ao perder o controle de seu carro, se chocar com Nyck De Vries e sofrer danos terminais em seu e-4ORCE 04.

Sem dúvidas, Jake Hughes foi a salvação da McLaren, ao impedir que a escuderia deixasse a rodada dupla na China zerada e possibilitar o ganho de posição no Campeonato de Equipes do sétimo para o sexto lugar, que era da Maserati.

Maserati MSG Racing (77 pts)

A equipe monegasca teve um fim de semana parecido com o da McLaren, com zero pontos ganhos no sábado e apenas um piloto no top 10 final da disputa do dia seguinte em Xangai.

O sábado foi desanimador para a Maserati MSG Racing: Jehan Daruvala e Max Günther terminaram na P19 e P21, respectivamente. No domingo, o único ponto positivo foi a oitava colocação final de Günther, já que Daruvala finalizou em uma decepcionante P17.

Diante de um agregado de resultados fracos, a escuderia com sede em Mônaco perdeu não só espaço na classificação geral de equipes, mas uma oportunidade de manter distância das equipes abaixo na tabela.

Envision Racing (49 pts)

A Envision foi uma competidora que, assim como a Andretti, marcou pontos nas duas provas, mas com apenas um dos carros em ambas as ocasiões. Na etapa 11, quem pontuou foi o campeão da temporada 2015/2016, Sébastien Buemi, que largou na P12, ganhou quatro colocações e recebeu a bandeirada final na P8, enquanto o parceiro do suíço, Robin Frijns, terminou mais atrás, em décimo segundo.

Na corrida 2 em Xangai, quem se saiu melhor foi Frijns: o neerlandês viu o apagar das luzes da P20, fez uma grande escalada ao ganhar um total de 11 posições e cruzou a linha de chegada na P9, enquanto Buemi concluiu na P12. Com o resultado, a Envision Racing saiu da China com o sentimento de dever cumprido.

ERT (23 pts)

A ERT fez uma rodada dupla ruim diante de seus fãs conterrâneos, ao terminar zerada em suas duas corridas em casa. Na competição inicial, de sábado, o brasileiro Sergio Sette Camara foi o que mais se aproximou do top 10 final, ao passar pela bandeira quadriculada na P13, enquanto Dan Ticktum terminou na P20.

Domingo, o resultado foi ainda mais frustrante para a escuderia chinesa, com Sete Camara na P18 e o companheiro de equipe britânico na P21. Em um panorama geral, a ERT não saiu do lugar e comparação com a etapa dupla anterior em Berlim.

ABT CUPRA (20 pts)

Assim como houve na McLaren, apenas um piloto impediu que a ABT saísse de Xangai de mãos vazias. Na disputa de sábado, o brasileiro Lucas Di Grassi largou em décimo sexto e finalizou no último degrau da zona de pontuação, na P10, com o companheiro de equipe, Nico Müller, cinco posições atrás, na P15.

O cenário mudou no dia seguinte, pois nenhum dos pilotos figuraram no top 10; Müller e Di Grassi concluíram o segundo E-Prix na China na P15 e P19, de forma respectiva. Mesmo com apenas um ponto no bolso, ao considerar o fraco desempenho do carro, o final de semana da escuderia alemã foi satisfatório.

Mahindra Racing (13 pts)

A primeira passagem da Fórmula E por Xangai gerou um ponto alto na temporada 2023/2024 para a Mahindra. Na corrida de sábado, Nyck De Vries largou na P13, com Edoardo Mortara em penúltimo lugar no grid de largada, na P21. No final da disputa, De Vries concluiu em sétimo, e marcou seus primeiros pontos pela equipe neste ano. Em contraste, Mortara abandonou, após se envolver em um incidente.

Apesar da boa finalização de Nyck na primeira prova chinesa, a escuderia indiana terminou a competição de domingo sem pontos; no outro carro, o melhor que Mortara conseguiu foi a P13, enquanto De Vries foi o décimo sexto colocado. No somatório dos dois resultados na China, a Mahindra Racing, assim como a sua cliente, ABT, saiu de Xangai satisfeita.

Top 10 do campeonato de pilotos:

1 – Nick Cassidy #37 (Jaguar TCS Racing) – 167 pts;

2 – Pascal Wehrlein #94 (TAG Heuer Porsche) – 142 pts;

3 – Mitch Evans #9 (Jaguar TCS Racing) – 132 pts;

4 – Oliver Rowland #22 (Nissan) – 131 pts;

5 – Jake Dennis #1 (Andretti) – 113 pts;

6 – Jean-Éric Vergne #25 (DS PESNKE) – 101 pts;

7 – António Félix da Costa #13 (TAG Heuer Porsche) – 84 pts;

8 – Max Günther #7 (Maserati MSG Racing) – 69 pts;

9 – Stoffel Vandoorne #2 (DS PENSKE) – 53 pts;

10 – Jake Hughes #5 (NEOM McLaren) – 46 pts.

A próxima etapa da Fórmula E será a rodada dupla do E-Prix de Portland, nos dias 29 e 30 de junho.