Início Destaque FÓRMULA E – Debrief: E-Prix de Berlim – 2024

FÓRMULA E – Debrief: E-Prix de Berlim – 2024

148
(Foto: Sam Bagnall)
Saiba o que rolou nas duas provas da categoria na casa da Porsche e da ABT, além de uma análise sobre o desempenho das equipes no fim de semana.

A Fórmula E realizou no último final de semana (11 e 12) a rodada dupla do E-Prix de Berlim, a nona e décima etapas do calendário 2023/2024, no Circuito de Berlim Tempelhof, na Alemanha.

O vencedor da prova de sábado foi Nick Cassidy, que fez uma ótima escalada, ao largar na P9 e finalizar no topo do pódio, logo à frente de Jean-Éric Vergne e Oliver Rowland. O ponto da volta mais rápida da disputa ficou com Cassidy, com o tempo de 1:03.335s.

Ontem (12), foi a vez de António Félix da Costa garantir a sua primeira vitória neste ano, depois de sair da P10. Logo atrás do português da TAG Heuer Porsche, concluíram Cassidy e Rowland. Curiosamente, Nick também ficou com o ponto extra de melhor volta no domingo.

Vale mencionar que o fim de semana em Berlim Tempelhof foi conturbado, com muitos incidentes no novo layout do circuito, que se mostrou mais técnico em relação ao traçado anterior.

Análise de desempenho

Abaixo, confira uma análise de desempenho das 11 escuderias do grid na rodada dupla do E-Prix de Berlim, em ordem decrescente da classificação atual do campeonato de equipes.

Jaguar TCS Racing (237 pts)

A Jaguar teve um excelente final de semana em território alemão, principalmente com Nick Cassidy. O neozelandês garantiu a vitória na corrida de sábado, com direito ao ponto da volta mais rápida, com o parceiro, Mitch Evans, em quarto lugar.

No dia seguinte, Nick conquistou mais um pódio para a Jaguar TCS Racing (o décimo da escuderia britânica na temporada), como P2, enquanto Evans terminou algumas posições atrás, na P6. Como um dos competidores que mais pontuaram na rodada dupla alemã, Cassidy reassumiu a ponta no campeonato de pilotos.

TAG Heuer Porsche (183 pts)

Para a Porsche, a rodada dupla em Berlim foi positiva, com uma boa apresentação no geral diante de seus fãs conterrâneos, que lotaram as arquibancadas. Na disputa de sábado, Pascal Wehrlein concluiu o E-Prix em quinto, com o companheiro de equipe, António Félix da Costa, logo atrás, na sexta posição.

No domingo, a performance da Porsche foi melhor, diante da conquista da primeira vitória de Da Costa na campanha 2024, com Wehrlein na P4, a uma posição de uma dobradinha no pódio para a TAG Heuer Porsche. Vale mencionar que António encerrou um jejum de vitórias na F-E que durou 15 meses.

Nissan (144 pts)

Depois da Jaguar e da Porsche, a Nissan foi a terceira escuderia a garantir duas finalizações consecutivas no top 3. Oliver Rowland recebeu a bandeira quadriculada na P3 nas duas corridas e se tornou o motivo de felicidade da equipe japonesa.

Para Sacha Fenestraz, a única oportunidade em que o piloto francês conseguiu uma alcançar o top 10 foi na nona etapa, com uma P9. No dia seguinte, Fenestraz abandonou o E-Prix, ao bater no muro, após sofrer um toque de outro piloto. Apesar da infelicidade de Sacha no domingo, o resultado geral da Nissan proporcionou a conquista da P3 na tabela de equipes.

DS PENSKE (127 pts)

Para a DS, o final de semana em Berlim Tempelhof foi de altos e baixos mas, pelo menos, com pontos somados nas duas provas. No sábado, o bicampeão da categoria elétrica, Jean-Éric Vergne, cruzou a linha de chegada em segundo lugar, com o parceiro de equipe, Stoffel Vandoorne, em sétimo.

Na décima etapa, no domingo, o desempenho da escuderia francesa caiu e, o único ponto alto para a equipe foi o décimo lugar garantido por Jean-Éric Vergne. No caso de Vandoorne, o automobilista belga finalizou na P20, última posição antes dos pilotos que abandonaram a corrida. Sem dúvidas, este foi um dia frustrante para o campeão da campanha 2021/2022.

Andretti (126 pts)

A Andretti vivenciou uma rodada dupla difícil na Alemanha, com apenas uma finalização na zona de pontos. O atual defensor do título, Jake Dennis, não concluiu o E-Prix de sábado, por se envolver em um incidente com Robin Frijns e abandonar em seguida. O companheiro de equipe de Jake, Norman Nato, também ficou de fora do top 10, ao receber a bandeirada final na P18.

No domingo, Dennis se recuperou da disputa que não terminou no dia anterior. O britânico garantiu o quinto lugar no final, depois de largar na pole pela primeira vez neste ano. Por outro lado, Norman passou pela bandeira quadriculada na P19. O resultado geral da Andretti foi ruim e, por isso, a equipe americana perdeu, de uma vez, a P3 e a P4 no campeonato.

Maserati MSG Racing (73 pts)

O caso da Maserati foi parecido com o da Andretti, mas a escuderia monegasca passou por uma rodada dupla ainda mais complicada. Incrivelmente, Max Günther abandonou as duas provas em Berlim, após se envolver em um incidente na nona etapa e bater sozinho no muro na competição de domingo.

No outro carro, Jehan Daruvala também não marcou pontos para a Maserati MSG Racing no sábado, mas o fez no dia seguinte, depois de largar na P13 e concluir na P7. Essa foi uma boa apresentação para o estreante indiano, que, naturalmente, costuma ser superado por Günther, o mais experiente da dupla na Fórmula E.

NEOM McLaren (68 pts)

A McLaren teve um fim de semana com alguns pontos conquistados, mas pelo novato, Taylor Barnard, que substituiu Sam Bird pela segunda vez, enquanto o britânico se recupera do ferimento na mão. Na disputa inicial em Berlim, o jovem piloto de 19 anos finalizou em décimo, enquanto Jake Hughes não alcançou o top 10, ao terminar o E-Prix de sábado na P15.

Na corrida do dia seguinte e em sua terceira etapa como titular, Taylor foi ainda melhor, ao cruzar a linha de chegada na oitava posição. No outro carro da escuderia britânica, Hughes mais uma vez não acompanhou o estreante, e concluiu o E-Prix de domingo na P12. Assim, a McLaren foi salva por Barnard.

Envision Racing (43 pts)

Com dois estreantes na equipe, a Envision teve um fim de semana positivo, ao pontuar em Berlim, algo que não conseguia desde a rodada dupla do E-Prix de Misano. Na nona etapa, o estoniano Paul Aron fez uma boa prova, ao completar todas as voltas e ver a bandeira quadriculada na P13. Por outro lado, o sueco Joel Eriksson abandonou na estreia, após um incidente que tirou o piloto de 25 anos da competição.

No domingo, o jogo virou em favor de Eriksson, que marcou seus primeiros pontos na categoria elétrica, ao terminar a décima etapa da temporada na P9, com Aron cinco posições atrás do companheiro, na P14. Mesmo com apenas dois pontos alcançados a Envision saiu no lucro, depois de correr com dois novatos.

ERT (23 pts)

A ERT foi umas das equipes que saiu de um fim de semana frustrante em Berlim, já que não pontuou em nenhuma das duas corridas em Tempelhof. No sábado, o melhor que Dan Ticktum conseguiu foi uma P14, enquanto o brasileiro Sergio Sette Camara terminou duas colocações atrás, na P16.

No domingo, foi a vez de Sette Camara finalizar na frente do parceiro de equipe, ao receber a bandeirada final na P13, quatro posições acima de Ticktum, que concluiu o segundo E-Prix em território alemão na P17. Assim, para a escuderia chinesa, essa foi uma rodada dupla para esquecer.

ABT CUPRA (19 pts)

A ABT foi uma equipe que flertou de perto com a zona de pontuação nas duas disputas em casa. No E-Prix de sábado, o brasileiro Lucas Di Grassi abandonou, depois de sofrer um toque que o tirou da corrida. No outro M10 Electro, Kelvin van der Linde chegou perto do top 10, ao passar pela linha de chegada na P11.

A prova do dia seguinte foi praticamente o contrário, com Di Grassi na décima primeira colocação e Kelvin na P15. Depois de bater na trave duas vezes na Alemanha, a ABT CUPRA, assim como na etapa anterior em Mônaco, saiu de Berlim Tempelhof zerada.

Mahindra Racing (7 pts)

A rodada dupla do E-Prix de Berlim foi uma luz no fim do túnel para a Mahindra, que finalmente marcou pontos nesta temporada, graças a Edoardo Mortara. O suíço garantiu a P8 na disputa de sábado, após largar na pole, uma performance impressionante e inesperada, diante do histórico ruim da escuderia indiana desde o início do ano.

O novato Jordan King, substituto de Nyck De Vries (que correu nas 6 Horas de Spa-Francorchamps do WEC), terminou o seu E-Prix de estreia, ao ganhar duas posições durante a prova e segurar a P12 até o fim.

Na corrida de domingo, nenhum dos pilotos marcaram pontos, já que Mortara foi apenas o décimo sexto colocado, e King, o décimo oitavo. Mesmo com o mal aproveitamento na etapa 10 em Berlim, a Mahindra Racing voltou para casa com o sentimento de dever cumprido e de um fardo retirado, ao sair da estaca zero nesta temporada depois de oito etapas.

Top 10 do campeonato de pilotos:

1 – Nick Cassidy #37 (Jaguar TCS Racing) – 140 pts;

2 – Pascal Wehrlein #94 (TAG Heuer Porsche) – 124 pts;

3 – Oliver Rowland #22 (Nissan) – 118 pts;

4 – Jake Dennis #1 (Andretti) – 102 pts;

5 – Mitch Evans #9 (Jaguar TCS Racing) – 97 pts;

6 – Jean-Éric Vergne #25 (DS PESNKE) – 84 pts;

7 – Max Günther #7 (Maserati MSG Racing) – 65 pts;

8 – António Félix da Costa #13 (TAG Heuer Porsche) – 59 pts;

9 – Stoffel Vandoorne #2 (DS PENSKE) – 43 pts;

10 – Sam Bird #8 (NEOM McLaren) – 38 pts.

A próxima etapa da Fórmula E será a rodada dupla do E-Prix de Xangai, nos dias 25 e 26 de maio.