Início Destaque WEC – Prólogo: Tudo sobre a nova temporada – 2024

WEC – Prólogo: Tudo sobre a nova temporada – 2024

989
(Foto: Harry Parvin/Focus Pack Media)
Categoria mais alta de corridas de resistência retorna ainda melhor, com grandes novidades para os fãs de automobilismo.

O World Endurance Championship (WEC) retorna nos dias 26 e 27 para realizar o prólogo, a pré-temporada da classe no Circuito Internacional de Losail, no Catar, local da etapa de abertura da temporada 2024.

A data original era para os dias 24 e 25, mas uma guerra no Iêmen atrasou a logística marítima e impossibilitou a execução do prólogo da categoria.

A 12ª campanha do Campeonato Mundial de Endurance será, novamente, histórica: terá um recorde de inscrições de montadoras na classe principal (Hypercar) e a estreia da divisão LMGT3, que assumirá o lugar da veterana série de turismo LMGTE-Am.

Este ano também traz novidades quanto aos locais de prova, no grid e mudanças quanto às disputas e à segurança nas pistas. A seguir, confira tudo o que você precisa saber sobre a nova temporada do FIA WEC.

Calendário
(Foto: Imagem: FIA WEC/Divulgação)

Para este ano, o WEC oferece um calendário com 8 corridas, uma a mais em relação ao ano passado. Dessa vez, duas etapas retornam à programação: as 6 horas de São Paulo, no Autódromo de Interlagos, e o Lonely Star Le Mans, no Circuito das Américas – COTA (EUA).

Outra novidade é que as 6 Horas de Monza dá lugar às 6 Horas de Ímola e, assim, o icônico Autódromo Enzo e Dino Ferrari substituirá o clássico Circuito de Monza em abril como novo local da etapa italiana. Em seguida, virá as 6 Horas de Spa-Francorchamps, na Bélgica, no dia 11 de maio.

A disputa mais importante do Mundial de Endurance, as 24 Horas de Le Mans, ocorrerá logo após a corrida preparatória em Spa, e está marcada para os dias 15 e 16 de junho. Ao todo, 62 carros estão inscritos nas 24 Horas de Le Mans deste ano: 23 hipercarros, 23 LMGT3 e 16 LMP2 (de outras categorias). Pelo segundo ano consecutivo, é um número recorde de inscrições.

O Retorno ao Brasil

Após nove anos de fora da programação, a prova em território brasileiro está de volta ao calendário do WEC, e acontecerá no dia 14 de julho, no Autódromo de Interlagos. Essa será a terceira vez que o Templo do Esporte a Motor no Brasil receberá a categoria, após sediar corridas do Mundial nas três primeiras temporadas (2012 a 2014).

No mês seguinte, não há etapas programadas, o que significa que a categoria terá um longo período de pausa na temporada, antes da corrida dos Estados Unidos, no dia 1º de setembro.

A penúltima prova da programação será as 6 Horas de Fuji, no Japão, prevista para o dia 15 de setembro, enquanto as 6 Horas do Bahrein, que tradicionalmente recebe a final, encerrará com chave de ouro a temporada 2024 do Mundial de Endurance.

Informações do grid

A nova campanha do WEC contará com 14 montadoras: Alpine, Aston Martin, BMW, Cadillac, Corvette, Ferrari, Ford, Isotta Fraschini, Lamborghini, Lexus, McLaren, Peugeot, Porsche e Toyota, divididas em 37 carros de 24 equipes, todas inscritas na temporada completa.

Quanto aos modelos dos carros, na Hypercar terão 2 Alpine A424, 2 BMW M Hybrid V8, 1 Cadillac V-Series R, 3 Ferrari 499P (uma de equipe cliente e duas da fábrica), 1 Isotta Fraschini Tipo6-C, 1 Lamborghini SC63, 2 Peugeot 9X8, 5 Porsche 963 (três de clientes e duas da equipe de fábrica), e dois Toyota GR010 Hybrid.

Estreia da LMGT3
(Foto: Proton Competition/Ford Performance/Divulgação)

Como a nova classe GT para 2024, a LMGT3 ingressa no WEC pela primeira vez, e, como era na antiga LMGTE, será dividirá entre ‘Gentlemen Drivers’ (pilotos cavalheiros/pagantes) e equipes privadas.

As especificações dos carros da divisão de turismo são baseadas na atual plataforma GT3 da FIA, mas com adaptações específicas do WEC, como torquímetros, uma possível pequena atualização na carroceria, painéis numéricos luminescentes e luz líder. A fornecedora oficial de pneus da LMGT3 será a Goodyear.

Vale lembrar que a chegada da LMGT3 é o principal motivo da categoria de protótipos menos potentes, LMP2, que fez parte do grid desde a campanha inaugural em 2012 até 2023, ser descontinuada para este ano. Devido ao grande interesse das montadoras, a divisão de turismo encheu o grid perto do máximo de carros permitidos no regulamento: 37 de 38.

Na LMGT3, haverão 2 Aston Martin Vantage GT3, 2 BMW M4 GT3, 2 Corvette Z06 GT3.R, 2 Ferrari 296 GT3, 2 Ford Mustang GT3, 2 Lamborghini Huracán GT3 EVO 2, 2 Lexus RC F GT3, 2 McLaren 720S GT3 Evo e 2 Porsche 911 GT3 R.

Novidades na Hypercar

Nesta temporada, a divisão de hipercarros do FIA WEC terá 19 carros, 6 a mais em relação ao ano passado, graças a entrada de novas fabricantes na classe Hypercar. Abaixo, confira as marcas que chegam para competir com as já experientes Toyota, Porsche, Ferrari, Peugeot e Cadillac, a partir da etapa inicial no Catar.

Alpine
A424 durante os últimos testes em Portimão (Foto: Joao Filipe/DPPI)

Após competir na classe principal no WEC em 2021 e 2022, a Alpine retorna com o A424, o mais novo hipercarro LMDh (Le Mans Daytona h) da montadora francesa que nasceu com um objetivo: repetir a vitória nas 24 de Le Mans, que ocorreu em 1978.

O design do A424 mostra a atenção aos detalhes que a Alpine deu ao projeto, com direito a lanternas em formato do logo da marca. Curiosamente, a parte frontal do modelo lembra o hipercarro da Acura no IMSA, o ARX-06 GTP.

Quanto às especificações técnicas, o A424 possui um motor V6 Turbo de 3.4 litros que gera 675 cv de potência, sistema híbrido que produz 50 kW de força, tração traseira e pesa 1030 kg, de acordo com o regulamento do BoP.

A Alpine terá em seu line-up dois carros: o #35, que será administrado pelo trio Paul-Loup Chatin, Charles Milesi e Ferdinand Habsburg-Lothringen, e o #36, de Nicolas Lapierre, Matthieu Vaxiviere e Mick Schumacher.

BMW
BMW V8 Hybrid durante os testes preparatórios para o WEC em Aragon (Foto: Julian Kroehl/BMW Group)

A BMW ingressa pela primeira vez no Campeonato Mundial de Endurance em 2024 com o BMW M Hybrid V8, o hipercarro LMDh da montadora alemã que adquiriu experiência no endurance no ano passado, quando participou da 10ª temporada do IMSA.

O Hybrid V8 teve uma performance positiva para um projeto de uma marca com poucos triunfos no mundo das corridas de resistência, e terminou em sexto lugar na classe mais alta da classe americana de Endurance, com o carro #25, atrás apenas da Cadillac, Acura e Porsche.

Em relação às especificações, o M Hybrid possui um motor V8 Biturbo de 3.9 litros, baseado no M4 DTM de 2017/2018, 640 cv de potência, sistema híbrido complementar de 30 kW, pesa 1029 kg (sem o lastro obrigatório para o mínimo de 1030 kg) e conta com tração traseira.

A marca alemã correrá em parceria com a equipe WRT, que costuma trabalhar com a BMW M em outras categorias.

A BMW M terá a sua disposição dois carros: o #15 dos pilotos Dries Vanthoor, Raffaele Marciello e Marco Wittmann, e o #20 de René Rast, Robin Frijns e Sheldon van der Linde.

Isotta Fraschini
(Foto: Isotta Fraschini/Divulgação)

Apesar de pouco conhecida, a Isotta Fraschini se junta a nomes como Glickenhaus e Vanwall (que competiram no WEC ano passado e não tiveram sucesso) no grupo de marcas não populares que decidiram se aventurar no mundo das corridas de longa duração.

A clássica montadora italiana de carros de luxo faz a sua estreia no Mundial de Endurance este ano com seu primeiro hipercarro LMH (Le Mans Hypercar): o Tipo6-C. A Isotta terá apoio da Team Duqueine, que compete na Asian Le Mans Series.

O Tipo6-C foi desenvolvido pela preparadora italiana de alta performance, Michelotto Engineering, e participou de sessões no túnel de vento da Williams. O LMH da Isotta possui um motor V6 Turbo de 3.0 litros, gera 700 cv de potência combinada (270 cv do sistema híbrido no eixo dianteiro), tração integral e pesa 1000 kg (sem o lastro obrigatório para alcançar os 1030 kg mínimos previstos no regulamento).

Quanto ao line-up de pilotos, a Isotta Fraschini contará com apenas um carro, o #11, que receberá os competidores Carl Wattana Bennett, Antonio Serravalle e Jean-Karl Vernay.

Lamborghini
(Foto: Lamborghini/Divulgação)

Como mais uma montadora de peso a ingressar na Hypercar neste ano, a Lamborghini se apresenta de forma inédita na divisão master do WEC, em parceria com a equipe Iron Linx e com um hipercarro que promete dar trabalho às outras fabricantes de luxo.

O SC63 da especificação LMDh da Lamborghini Squadra Corse é o novo projeto do departamento de corridas da marca para disputar a temporada completa do Mundial de Endurance, que a fará competir, pela primeira vez na classe principal, na etapa mais famosa e desafiadora do calendário: as 24 Horas de Le Mans.

Quanto ao que há embaixo da carroceria de fibra de carbono, o SC63 conta com um motor V8 Biturbo de 3.8 litros, 680 cv de potência combinada com o sistema híbrido, pesa 1030 kg e possui tração traseira.

Novidades no grid de pilotos
Estreantes

Para a rodada 2024, há pilotos conhecidos no mais alto nível do esporte que estreiam neste ano. Dentre eles, estão o heptacampeão de MotoGP, Valentino Rossi, que guiará a BMW M4 LMGT3 #46 ao lado de Maxime Martin e Ahmad Al Harthy, e o ex-piloto de Fórmula 1 e campeão de Fórmula 2, Mick Schumacher, que competirá no Alpine A424 #36.

Além disso, o ex-piloto de Fórmula 1 e campeão de Fórmula E, Nyck De Vries, ingressa na Hypercar de forma inédita com a Toyota Gazoo Racing Europe, e guiará o GR010 Hybrid #7. O holandês terá como parceiros os veteranos Mike Conway e Kamui Kobayashi, e competirá no WEC como titular após ser reserva da equipe da montadora japonesa de 2020 a 2022.

Retorno de nomes de peso

Também campeão de Fórmula E, Edoardo Mortara regressa ao Mundial de Endurance como um dos componentes do trio de pilotos da Lamborghini Iron Linx. O suíço dividirá o cockpit do SC63 com o ex-piloto de Fórmula 1 Daniil Kvyat e com o também experiente no WEC, Mirko Bortolotti.

O campeão da temporada 2009 de F1, Jenson Button, retorna este ano, mas para competir em outra equipe: a Hertz Tem Jota de Hypercar. O britânico, que correu pela descontinuada Floyd Vanwall em 2023, correrá no Porsche 963 #38 da escuderia conterrânea, ao lado de Phil Hanson e Oliver Rasmussen. O outro carro da Jota, o #12, receberá o trio Norman Nato, Callum Ilott e Will Stevens.

O ex-piloto de Fórmula 1, Robert Kubica, também segue para mais uma temporada no Mundial de Endurance, mas, dessa vez, na classe principal. O polonês, que representou a WRT na extinta LMP2 ano passado, se une a equipe cliente da Ferrari, AF Corse, para pilotar o LMH vencedor da edição centenária das 24 Horas de Le Mans. Kubica revezará o 499P #83 da escuderia italiana com os pilotos oficiais da Ferrari, Robert Shwartzman e Yifei Ye.

O trio feminino da Iron Dames está de volta, mas com uma alteração: Doriane Pin substitui Rahel Frey. A piloto francesa se une a Sarah Bovy e Michelle Gatting a bordo da Lamborghini Huracán LMGT3 EVO2 #85 da equipe, que terá a tradicional cor rosa magenta. O motivo de Rahel não estar no line-up da Iron Dams no WEC é seu compromisso integral com a escuderia na IMSA.

Escalação das equipes veteranas na Hypercar
Toyota GR010 Hybrid com uma nova pintura para este ano (Foto: Toyota Gazoo Racing Europe/Divulgação)

Além do line-up titular do GR010 #7 mencionado anteriormente, a Toyota contará com o trio inalterado no carro #8: Sébastien Buemi, Brendon Hartley e Ryo Hirakawa.

A Ferrari também manteve seu grid inalterado para este ano. Antonio Fuoco, Miguel Molina e Nicklas Nielsen continuam no comando do 499P #50, enquanto Alessandro Pier Guidi, James Calado e Antonio Giovinazzi, que venceram as 24 Horas de Le Mans ano passado, permanecem a bordo do #51.

A Porsche PENSKE Motorsport traz Matt Campbell da IMSA para ser o novo parceiro de Michael Christensen e de Frédéric Makowiecki no 963 #5, com o trio do #6, André Lotterer, Kévin Estre e Laurens Vanthoor, pronto para mais uma temporada consecutiva no WEC.

A Cadillac mateve Alex Lynn e Earl Bamber, mas decidiu trazer dois novos integrantes para o V-Series LMDh #2, que revezarão o terceiro assento no decorrer da temporada: o piloto Sébastien Bourdais e outro que ainda será confirmado.

A equipe da montadora francesa, Peugeot TotalEnergies, continuará com seus dois hipercarros 9X8, mas com uma mudança na escalação de pilotos. No #93, Mikkel Jensen, Jean-Éric Vergne e Nico Müller permanecem para mais uma temporada pela Peugeot, mas no carro #94, Stoffel Vandoorne foi promovido a titular, e se une aos veteranos Paul Di Resta e Loic Düval.

A Proton Competition foi a última equipe da classe de hipercarros a confirmar a sua escalação para a temporada 2024 do WEC, e escolheu o trio Harry Tincknell, Neel Jani e Julien Andlauer para guiar o Porsche 963 #99.

Brasileiros no grid

O Brasil será representado por dois competidores: Augusto Farfus, que correrá pela WRT de LMGT3 na BMW M4 #31, ao lado de Sean Gelael e Darren Leung, e pelo campeão da Porsche Carrera Cup, Nicolas Costa, que competirá na McLaren 720S EVO #59 da United Autosports de LMGT3, e terá como parceiros os pilotos Gregoire Saucy e James Cottingham.

Novidades no regulamento desportivo
Classificação

A partir deste ano, haverá um novo formato de qualificação: as classes Hypercar e LMGT3 apresentarão duas sessões cada. Ambas as categorias terão uma período de 12 minutos para conseguir a melhor volta, seguida de uma Hyperpole de 10 minutos para os dez primeiros classificados que, em seguida, decidirão os vencedores da pole position.

Os 10 carros mais rápidos da primeira sessão determinarão as 10 primeiras posições no grid de largada para cada categoria. Anteriormente, cada classe apresentava uma qualificação única de 15 minutos, com o formato Hyperpole reservado apenas para as 24 Horas de Le Mans.

Procedimento de segurança do carro

Agora, o Diretor de Prova poderá acionar um Safety Car Virtual (VSC) caso haja necessidade. Cada período de VSC será acompanhado por um procedimento de Safety Car físico na pista. O VSC pode durar por aproximadamente duas voltas antes da implantação do Safety Car (SC).

Uma vez exibido o VSC nos monitores, os carros devem reduzir a velocidade até atingir 80 km/h, fazer uma fila única, e manter uma distância segura em relação ao carro da frente e ao de trás. O acesso ao pit lane será liberado durante o Safety Car Virtual, e quando o Diretor de Prova considerar apropriado, ele encerrará o VSC e acionará o tradicional SC.