Início Destaque Sim, o Brasil respira no mundo da velocidade – 2020

Sim, o Brasil respira no mundo da velocidade – 2020

491

 5 min de leitura

Sérgio Sette Câmara, Pietro Fittipaldi, Pedro Piquet, Enzo Fittipaldi, Gianluca Petecof, Felipe Drugovich, Igor Fraga, Caio Collet, Bruna Tomaselli e Gabriel Bortoleto. Brasileiros em ascensão nas pistas pelo mundo. Créditos: Fotos retiradas das redes sociais dos pilotos.

Olá amigos e amigas do Tomada de Tempo e do Kojak! Enfim, estamos em 2020 e a crise de abstinência pela falta de corridas já está tomando conta deste ser humano. Mas enquanto elas não chegam, vamos debatendo o que anda acontecendo no maravilhoso mundo do automobilismo. Neste texto, trago alguns dos promissores nomes brasileiros nos monopostos, deixando para um próximo momento os nomes do Endurance, do Rally e das categorias de Turismo em geral.

O brasileiro, de certa forma, foi doutrinado pela mídia a gostar de esportes que tenham um compatriota para torcer, principalmente se ele for vencedor. A F1 é um exemplo clássico. Na época de Emerson Fittipaldi (bicampeão 72-74), Nelson Piquet (tricampeão 81-83-87) e Ayrton Senna (tricampeão 88-90-91), as pessoas se reuniam para ver as corridas, era um assunto na resenha da mesa de boteco. Mas, a tragédia do saudoso Senna, a escassez de grandes vitórias e a ausência de títulos foram minando o interesse da mídia padrão e do torcedor comum, já que o apaixonado pelo esporte não o abandonou jamais. Registro que obviamente estou nesse segundo grupo.

Nos últimos anos, ouvimos muitas pessoas dizerem que o automobilismo brasileiro estaria morrendo. Claro, aliado aos fatores escritos acima, que é um esporte caro e que a crise financeira que assola o país nos últimos anos dificulta o incentivo ao esporte e o surgimento de novos talentos, não podemos negar que o esporte passou e passa por dificuldades. Mas, mesmo assim, a nossa tradição nas corridas fala mais alto, parte do Brasil tem amor à velocidade e o esporte está longe de morrer. Selecionei dez nomes promissores, no caminho da F1, que podem chegar, ou ainda, devido à dificuldade de espaço, pintarem no futuro na tradicional Indy, na emergente F-E ou ainda, na importante Stock car. Vamos aos talentos:

Sérgio Sette Câmara: o mineiro de 21 anos, até a presente data não definiu seu destino em 2020. A maior possibilidade é a permanência na F2, o que seria o seu quarto ano consecutivo. Existe uma proposta da Indy na sua mesa, mas ele ainda quer a F1 e segue como piloto de desenvolvimento da McLaren. Obteve a superlicença em 2019.

Pietro Fittipaldi: Neto de Emerson Fittipaldi, o brasileiro nascido nos EUA, de 23 anos, deve seguir como piloto de testes da HAAS e anunciou recentemente que irá correr na Super Fórmula Japonesa em 2020. Polivalente, começou nas categorias de base da NASCAR, esteve na Indy, no DTM e no WEC. Foi campeão da F-Renault e da extinta World Series 3.5. Segue na luta pelos pontos que faltam para a superlicença.

Pedro Piquet: O brasiliense de 21 anos, filho de Nelson Piquet, segue o caminho do pai e do seu irmão Nelsinho, em busca de uma oportunidade na categoria mais famosa do mundo. Em 2020, após algumas boas vitórias na FIA F3, chega a F2 buscando subir o último degrau.

Enzo Fittipaldi: Irmão do Pietro, também um brasileiro nascido na terra do “Tio Sam”, está com 18 anos e vem de um vice campeonato na F3 Regional Europeia. Esse ano estreia na F3, a segunda categoria de acesso da FIA.

Gianluca Petecof: Paulista de 17 anos, piloto da academia Ferrari, em 2019 esteve na F4 Italiana e F4 Alemã, ficando com o vice e o quinto lugares respectivamente. Em 2020 estará na F3 Regional Europeia.

Felipe Drugovich: Recordista de vitórias na EuroFormula Open em 2017, o paranaense de 19 anos vem fazendo o caminho natural dos monopostos. Em 2019 estreou na FIA F3, mas no ano de estreia não obteve grande destaque. Mesmo assim, em 2020, chega à F2 para, sem dúvida, uma temporada desafiadora.

Igor Fraga: Brasileiro de 21 anos, nascido no Japão, filho de pais mineiros, em 2019 ficou com a terceira posição na F3 Regional Europeia, atrás de Enzo Fittipaldi e do campeão Frederik Vesti. Figura presente também ao automobislimo virtual, sendo piloto da McLaren em seu time de eSports (McLaren Shadow).

Caio Collet: Paulista de 17 anos, kartista de sucesso e membro da academia Renault de pilotos. Em 2018 foi campeão da Fórmula 4 Francesa e em 2019 foi campeão entre os estrantes da Fórmula Renault Eurocup, onde segue em 2020.

Bruna Tomaselli: Após três anos na USF2000 dos EUA, a catarinense de 22 anos passou pelo processo seletivo e estará no grid da W Series em 2020, sendo a primeira brasileira a disputar a categoria. Sonha com a F1, mas não fecha as portas para a Indy ou Stock car. Calendário da W SERIES 2020 já disponível!

Gabriel Bortoleto: O paulista de 15 anos é kartista de sucesso e foi terceiro lugar no Campeonato Mundial, terceiro no Campeonato Europeu e Vice no WSK Super Master, na sua categoria. Em 2020 fara sua estreia nos monopostos e estará na F4 Italiana e F4 Alemã, na tradicional equipe PREMA.

Sim, existem mais nomes. Mas esses já são bons exemplos que o automobilismo está firme e no DNA do povo brasileiro. Tudo é cíclico nessa vida, e essa geração está chegando para trazer de volta ao Brasil, os holofotes das pistas. Porém, que saibamos apreciar o caminho deles até lá. Vamos usufruir das facilidades que temos e os acompanhar na F3, F2, W Series e qualquer outra categoria. Mas também, que em qualquer esporte, independente da nossa bandeira, possamos admirar as qualidades de um Lewis Hamilton, Max Verstappen, Charles Leclerc, Scott Dixon, Josef Newgarden, Jimmie Johnson e tantos outros. Talento é talento!

Isto posto, que voltem as corridas, pois 2020 promete!

E como diria Kal-El: “Para o alto e avante!!”

CALENDÁRIOS 2020

Veja os calendários 2020 das principais categorias do automobilismo nacional e internacional:

Calendários 2020 – Automobilismo – Tomada de Tempo
SIGA A GENTE