Início Fórmula 1 FÓRMULA 1 – Singapura: a corrida mais intensa do calendário – 2019

FÓRMULA 1 – Singapura: a corrida mais intensa do calendário – 2019

251
(Foto: reprodução site oficial formula1.com)

O GP de Singapura é o único que acontece durante a noite, possui a pista com o maior número de curvas, o clima do país é extremamente quente e com a maior porcentagem de umidade do ar de todas as etapas da F1. Saiba os detalhes da preparação dos pilotos para essa prova, suas expectativas para a corrida e como essa disputa na Ásia leva os corredores ao seus limites físicos e mentais.

Singapura fica localizado ao sul da Malásia, que surpreende pela beleza noturna da cidade de Marina Bay e por conta da construção icônica da Marina Bay Sands, hotel e um dos principais casinos do país: 3 prédios unificados por uma única cobertura que oferece uma visão de 70% da pista que recebe a Fórmula 1. É justamente nesse hotel que os pilotos se hospedam.

O país asiático fica sob a linha do Equador, o que caracteriza um clima bastante quente e úmido. Por esse motivo, a disputa acontece à noite, mas não quer dizer que os condutores dos carros e as suas equipes ficam livres do calor e do suor excessivo. A umidade à noite fica acima dos 80% e a temperatura dentro das garagens chega aos 40ºC, o que exige muito de todos os componentes das escuderias. Dentro do carro, segundo Pierre Gasly, a temperatura no cockpit chega a 60ºC.

O GP de Singapura é o mais desgastante para os corredores e a preparação para essa etapa vem desde o início da temporada: pois sabem que precisam chegar no 15º GP da Fórmula 1 em sua melhor forma. Os estreantes na categoria e no circuito de Marina Bay, chegam alguns dias antes do programado para se acostumarem com o clima e iniciarem o treino físico mais cedo. Na semana de corrida, após cada treino, eles entram em banheiras cobertas de gelo, para reduzir o diâmetro dos vasos sanguíneos, diminuir dores musculares e acelerar a recuperação de pequenas lesões provocadas durante o treino.

Embora o sofrimento comece nos treinos e qualificações, a parte mais desgastante tanto moralmente quanto fisicamente é durante a prova. Segundo Marcus Ericsson, atual reserva da Alfa Romeo Racing e ex-piloto da equipe ano passado, pilotar em Singapura “é pura dor. Você fica desidratado, com dores de cabeça, muito cansado e com dificuldades para se concentrar.” Para Charles Leclerc, atual piloto da Ferrari e ex-piloto da Sauber (Alfa Romeo) do ano passado, “é como pilotar em um túnel. É extemamente intenso.”

Vale lembrar, que por ser uma pista longa (com mais de 5km de comprimento), a duração total da corrida é de aproximadamente duas horas.

Abaixo, seguem a expectativa e os comentários das equipes com alguns pilotos para a próxima etapa:

Começaremos com a líder do campeonato de construtores, a Mercedes, com 505 pontos:

(Foto: reprodução twitter oficial @MercedesAMGF1)

Toto Wolff (chefe da equipe): “O cronograma de compensação e o clima o tornam um fim de semana exigente para a equipe; as temperaturas na garagem podem facilmente chegar a 40 graus Celsius ou mais, com altos níveis de umidade também. […] É um ambiente difícil de trabalhar e é igualmente desafiador para os motoristas e o próprio carro.[…] Durante muito tempo, Singapura costumava ser uma das faixas mais fracas, mas fizemos algumas incursões nisso e tivemos um bom desempenho no ano passado. No entanto, não há home runs em uma pista como Singapura: precisamos entender este carro e os pneus deste ano em um layout de pista muito particular e não tomar absolutamente nada como garantido em nossa abordagem ao fim de semana. Estamos ansiosos por uma dura batalha sob as luzes em Singapura.

À seguir, a segunda colocada, com 351 pontos, a Ferrari:

(Foto: reprodução twitter oficial @ScuderiaFerrari)

Leclerc: “Singapura é talvez a pista mais difícil para os pilotos fisicamente, apenas por causa do calor e da umidade. É sempre um lugar especial para ir, porque é uma corrida noturna. Eu realmente gosto de dirigir à noite e, de alguma forma, parece muito mais rápido do que durante o dia. É apenas um fim de semana único e estou realmente ansioso para estar lá. Depois de dois finais de semana positivos na Bélgica e na Itália, a corrida em Singapura não parece tão boa no papel para nós, por causa do layout do circuito muito diferente, com muitas curvas lentas e menos retas. Pode ser um fim de semana mais difícil para nós, mas vamos dar o nosso melhor para obter um bom resultado.

Vettel: “Depois de Spa-Francorchamps e Monza, estamos indo para um circuito muito diferente: Singapura, que eu realmente gosto. É um circuito de rua, irregular e sem espaço para erros e é uma das poucas corridas sob luzes. Continuamos no horário europeu, o que é um pouco estranho, porque deixamos o circuito quando os habitantes locais acordam com uma diferença de seis horas. Precisamos de força descendente máxima e temos os três compostos de pneus mais macios. Já vimos antes que tudo pode acontecer nesta corrida, por isso é difícil prever o resultado final. Fora da pista, também haverá muita pressão sobre as equipes, já que esta corrida está de volta com a Rússia.

Seguimos com a equipe Red Bull Racing, terceira colocada com 266 pontos:

(Foto: reprodução twitter oficial @redbullracing)

Albon: “Estou ansioso para isso. O Marina Bay Street Circuit é uma nova pista para mim e será minha primeira vez em Singapura, por isso estou interessado em ver do que se trata. Ouvi dizer que é uma das corridas mais físicas que fazemos, porque é muito úmida e a corrida é muito longa, além de ser uma corrida de rua onde há muito menos margem para erros. Vai ser muito divertido, especialmente porque nunca corri em lugar nenhum como esse antes. É o Grand Prix mais próximo da Tailândia, então terei familiares e patrocinadores extras vindo para me apoiar, o que o torna ainda mais emocionante e sim, acho que é como uma corrida em casa de certa forma. Após minha sessão de simulação e preparação com a equipe, estou ansioso para voltar à RB15 e sair sob os holofotes!”.

Max: “É uma pista excelente e a cidade parece incrível à noite. Gosto de dirigir sob os holofotes, pois dá mais personalidade à pista e gosto muito desse fim de semana, pois é tão diferente de uma corrida normal. A pista é muito exigente – é quente, é física e você transpira muito, mas sim, é uma das minhas favoritas. Você tem muitos cantos que são uma mistura de velocidade alta e baixa, além de alguns cantos de velocidade média que têm pouco escoamento, por isso é um circuito muito diverso e estou ansioso para voltar lá. É uma corrida em que tendemos a fazer melhor do que dizer, Monza e Spa, e espero que possamos ter outro bom fim de semana. Ultrapassar é muito complicado, então qualificar é a chave; você tem que acertar! Estou ansioso para ter um fim de semana de corrida mais normal e espero não começar de novo, o que sempre torna as coisas mais difíceis. Estamos buscando o máximo de pontos e estou realmente ansioso por isso.”

Ainda seguimos na ordem de colocação no campeonato de construtores. Agora, a equipe  Mclaren:

(Foto: reprodução twitter oficial @MclarenF1)

Sainz: “As duas últimas corridas europeias da temporada não foram planejadas, então estou ansioso para recuperar um momento positivo nas próximas corridas. Spa e Monza foram infelizes, mas não há razão para não permanecer positivo. Como sempre, precisamos manter a cabeça baixa e lutar por todas as oportunidades. Singapura é um circuito especial que normalmente apresenta essas oportunidades, como em 2017, quando cruzei a linha na quarta posição. É um desafio único situado no meio de uma cidade incrível. A corrida no horário europeu é uma característica interessante do fim de semana e as temperaturas e a umidade quentes apenas aumentam o desafio.

Norris: Estou animado para ir a Singapura pela primeira vez e tenho feito muitas preparações de volta à fábrica para me preparar para o fim de semana. Do meu trabalho no simulador, o circuito de rua parece ser um desafio emocionante e estou realmente ansioso pelas minhas primeiras voltas na sexta-feira. Vou para Singapura alguns dias antes, para me acostumar com as temperaturas com algum treinamento especializado, conhecer uma parte da cidade e me preparar para o fim de semana que se aproxima.

À seguir, a equipe francesa Renault:

(Foto: reprodução twitter oficial @RenaultF1Team)

Ricciardo: “Você precisa ser afiado para Singapura. O calor e a umidade parecem permanecer dentro das paredes e dos edifícios. Também não há muita circulação e, se você levantar o visor para respirar um pouco de ar fresco, não terá ar, e isso piorará! O circuito é longo e ocupado. Você precisa se aproximar das paredes de saída e às vezes fica prendendo a respiração um pouco. Eu sempre gostei de correr em circuitos de rua. É uma sensação de estar absolutamente nisso, perto da borda e é uma sensação incrível. Singapura foi a primeira corrida noturna real na Fórmula 1, e há algo que eu gosto em acordar mais tarde e depois ir dormir cedo. Eu tive algum sucesso lá com alguns pódios nos últimos tempos. Precisamos apoiar o excelente resultado na Itália e colocar o calor na corrida pela quarta.”

Hulkenberg: Singapura é a única corrida noturna real no calendário, o que a torna realmente única. Demora um pouco de tempo extra para nos acostumarmos a correr sob luzes artificiais, mas estamos bastante acostumados a isso agora. Ficamos lá no horário europeu, o que significa que acordamos na hora do almoço e temos o resto do dia e da noite pela frente. Não vemos muita luz do dia! É provavelmente a corrida mais física da temporada. Uma volta é muito ocupada ao volante, extremamente física e cansativa. É um circuito longo, com curvas fechadas e rápidas, sem muitas retas para descansar. A umidade o torna muito complicado e isso, combinado com todas as mudanças de marcha e mudanças de direção, o torna exaustivo no final da corrida.

Seguimos com a equipe júnior da RBR, a Toro Rosso:

(Foto: reprodução twitter oficial @ToroRosso)

Gasly: “Os dois tópicos sobre os quais todos falam em Singapura são o calor e o fato de ser uma corrida noturna. Definitivamente, é emocionante, pois as condições são muito mais difíceis. Nós adaptamos meu treinamento nestas semanas para nos prepararmos trabalhando em condições muito mais quentes, vestindo camadas de camisetas e moletons para acostumar o corpo à transpiração. Também passei muito tempo na sauna, que é um calor seco e em um hammam úmido com vapor, para que o corpo se adapte ao calor. Dessa forma, você estará o mais pronto possível quando chegar lá, o que é vital, pois também é a corrida mais longa e mais difícil do ano. A volta corre em um ritmo muito alto com muitas curvas, para que você não pare para respirar. Mas eu gosto disso. Adoro faixas muito técnicas e sinuosas, nas quais você precisa entrar em ritmo. A corrida envolve manter o foco por duas horas em condições extremas. Talvez seja a corrida mais difícil da temporada, mas também a mais emocionante.

Kvyat: É um grande desafio, uma das corridas mais exigentes do ano sob muitas perspectivas, pois é muito longo e em condições de calor e umidade, e é por isso que é tão interessante e emocionante para os pilotos. Como é um circuito de rua, isso sempre aumenta a adrenalina e dirigir sob os holofotes à noite aumenta a emoção, o que o torna um evento muito legal. Todo mundo fala sobre o fato de trabalharmos à noite, mas honestamente, é muito fácil lidar com isso: você tem um programa a seguir, vai para a cama por volta das 4 ou 5 da manhã, o que é incomum, mas a única coisa realmente estranha é que você não tem nenhum jetlag. Nós nos acostumamos a isso ao longo dos anos em que estivemos indo para lá. Está muito quente e úmido e levo isso em consideração no meu treinamento pré-corrida. Por exemplo, na Europa, eu tenho saído para corridas do lado de fora vestindo mais algumas camadas do que o habitual, o que parece um pouco engraçado e você recebe olhares estranhos das pessoas nas ruas. Nas corridas recentes, mostramos bom ritmo e tentaremos fazer o mesmo em Singapura, mesmo que seja uma pista muito diferente de Spa e Monza, por exemplo.”

Agora, a equipe liderada por Otmar Szafnauer, Racing Point:

(Foto: reprodução twitter oficial @RacingPointF1)

Perez: Eu sempre gosto de correr em Singapura. A cidade tem muita energia e a pista é um desafio. É fisicamente difícil com o calor e a umidade e, por ser um circuito de rua, há pouca margem para erro. Quando você está dirigindo, está suando muito. É por isso que você precisa ter certeza de ter feito seu treinamento físico em condições quentes também. Você precisa estar pronto, porque às vezes é difícil respirar. É também a corrida mais longa do ano em termos de duração.

Ficamos em hotéis próximos à pista e você realmente se sente tão perto de tudo. Você caminha para a pista com os fãs e sente a agitação e a atmosfera da cidade. Isso faz com que seja bem diferente de outras raças também. É um ótimo lugar para fazer uma corrida e quando o sol se põe, a pista fica realmente linda sob as luzes.

Stroll: Singapura é provavelmente a corrida mais exigente do calendário – certamente em termos do lado físico das coisas. Para me preparar, faço muito treinamento no trabalho de calor e resistência. É uma corrida longa – com duração de cerca de duas horas -, por isso também é um teste mental de concentração. É estreito e, com as paredes tão próximas, não há espaço para erros. É um lugar onde você coloca uma roda errada e você está na parede. Realmente o testa como motorista.

Há um fluxo muito bom no colo. É técnico e muito longo, portanto, montar a volta perfeita é um desafio. Você precisa de confiança no carro e um equilíbrio adequado ao seu estilo de condução. Para encontrar os últimos décimos, você realmente precisa de confiança para pressionar. É uma pista bastante esburacada e você precisa se comprometer totalmente, então é uma corrida em que você está realmente batendo no carro. Lembro-me de ter uma grande dor de cabeça após a corrida do ano passado!

Abaixo, a equipe Alfa Romeo:

(Foto: reprodução twitter oficial @alfaromeoracing)

Raikkonen: Todo mundo está falando sobre a umidade em Singapura e corridas à noite, mas no final não parece muito diferente de qualquer fim de semana regular de corrida. Nosso objetivo para esta corrida não muda: precisamos fazer um bom trabalho em cada sessão, pois essa é a única maneira de estar à frente de um meio-campo competitivo.

Giovinazzi: As corridas noturnas são sempre especiais, embora no carro você não sinta tanto. A pista de Marina Bay é desafiadora, com tantas curvas e muito pouca margem para erro; as condições também contribuem para dificultar esta corrida. Mas sinto que estou bem preparado e estou ansioso para voltar ao carro.

Seguimos com a equipe que ocupa o penúltimo lugar no campeonato, a Haas:

(Foto: reprodução twitter oficial @HaasF1Team)

Magnussen: Singapura é exaustiva mentalmente. Você precisa estar bem concentrado o tempo todo – talvez mais do que uma corrida normal – porque você fica constantemente em curvas durante o entorno da volta. Por isso, é mais exigente fisicamente e mentalmente. É uma corrida difícil com certeza.

Grosjean: “[Singapura] É como em Mônaco. Tem um conjunto de voltas na qualificação onde você deve realmente empurrar sua sorte e seus limites. No resto do tempo, você precisa respeitar o circuito.”

Encerramos com a equipe Williams:

(Foto: reprodução twitter oficial @WilliamsRacing)

Kubica: Singapura é um circuito típico de rua, pois é muito complicado. O clima quente e úmido apresenta um desafio, e a pista exige muito do carro e do motorista. Singapura tem uma ótima atmosfera e, como corremos à noite, é certamente um Grande Prêmio muito único.

Russell: Estou realmente ansioso por Singapura, primeiro porque sei que é um ótimo circuito e segundo porque é uma nova experiência para mim e adoro dirigir em novas pistas. Dirigir à noite é uma experiência legal e, além disso, estou ansioso pelo desafio físico do calor e da umidade. Em suma, é uma corrida pela qual estou ansioso.

A corrida (agora com 3 áreas de abertura de asa) terá início às 09:10 (horário de Brasília), no próximo domingo.